sábado, 30 de abril de 2011

Santas do mês de maio

1                  Beata Mafalda, Abadessa de Arouca (1184-1257)
1                  Beata Petronilha de Moncel, Abadessa (séc. XIII)
2                  Stos. Zoe e Espero, Esposos, e Filhos, Mártires de Atália († 120 c.)
2                  Sta. Viborada, Virgem e Mártir de São Gallo († 926)
3                  Beata Emília Bicchieri, Dominicana (1238-1314)
3                  Beata Ma. Leônia Paradis, Fundadora (1840-1912)
3        Santa Viola ou Violeta, Virgem e Mártir do 1º século
4                  Sta. Afra de Brescia, Matrona e Mártir (c. 120)
4                  Santa Antonina de Nicéia, Mártir (séc. IV)
 4         Beatas Ângela Isabel e Ângela Bartolomea, irmãs (séc.XV-XVI)
5                  Santa Irene (Erina) de Lecce, Virgem e Mártir (séc. II)
5                  Santas Tosca e Teutéria, Virgens e Eremitas (séc. VIII)
5         Beata Catarina Cittadini, Fundadora (séc. XIX)
6                  Santa Benedita de Roma, Virgem (séc. VI)
6                  Beata Judite (Jutta) de Sangerhausen, Viúva (séc. XIII)
 6         Beata Ana Rosa Gattorno, Viúva e Fundadora (séc. XIX)
 6         Beata Catarina Troiani, Fundadora (séc. XIX)
 7         Santa Flávia Domitila, Mártir (séc. I-II )
 7         Beata Gisela da Hungria, Rainha e Abadessa (séc. XI)
 7         Santa Rosa Venerini, Fundadora (XVI-XVII)
 8         Santa Ida (ou Ita) de Nivelles, Monja († 652)
 8         Beata Ma. Catarina de Sto. Agostinho, Virgem (1632-1668)
 8         Beata Ulrica Nisch, Virgem (1882-1913)
 9         Beata Ma. Teresa de Jesus, Fundadora (1797-1879)
10        Santa Isidora, a Tola, Virgem do Egito (séc. IV)
10        Santa Solange, Virgem e Mártir (séc. IX)
10        Beata Beatriz I d’Este, Monja Beneditina (c. 1200-1226)
11        Stos. Teopista e Anastásio, Esposos e 6 filhos, mártires († 251)
11        Santa Estela (ou Eustela), Mártir (séc. III)
11        Stos. Bertila e Gualberto, Esposos (séc. VII)
12        Santa Rictrude, Esposa e Abadessa (612-678)
12        Beata Imelda Lambertini, Virgem adolescente (c. 1320-1333)
12        Beata Joana de Portugal, Dominicana (1452-1490)
13        Santa Inês de Poitiers, Abadessa († 588)
13        Santa Gema, Reclusa (1375-1439)
13        Beata Juliana de Norwich († 1423)
13        Beata Madalena Albrici, Abadessa Agostiniana (séc. XV)
14        Santas Justa e Enedina, Mártires (séc. III/IV)
14        Santa Teodora Guerin, Fundadora (1798-1856)
14        Santa Ma. Domingas Mazzarello, Co-fundadora (1837-1881)
15        Beata Berta de Bingen, mãe de S. Ruperto (séc. IX)
15        Santa Cesareia, Eremita de Otranto (séc. XIV)
17        Santa Restituta da Tunísia, Mártir (séc. III)
17        Sta. Restituta, mãe de S. Eusébio de Vercelli (séc. III-IV)
17        Santa Júlia Salzano, Fundadora (1846-1929)
17        Beata Antonia Mesina, Mártir da pureza (1919-1935)
18        Sta. Tecusa, tia de S. Teodato, Mártires, e 6 Virgens Mártires († 303)
18        Beata Blandina Merten, Ursulina (1883-1918)
19        Santa Pudenciana de Roma, Virgem e Mártir (séc. II)
19        Beata Umiliana de Cerchi, 3ª. franciscana (1219-1246)
19        Santa Maria Bernarda, Fundadora (1848-1924)
19        Beata Pina Suriano (1915-1950)
20        Santa Áurea de Ostia, Mártir
20        Santa Lídia de Tiatira, contemporânea de São Paulo (séc. I)
20        Beata Colomba de Rieti, Virgem (1467-1501)
20        Beata Josefa Endrina Stenmanns, Co-fundadora (1852-1903)
21        Santa Isberga (Gisela), Abadessa (séc. VIII-IX)
22        Santa Helena de Auxerre, Virgem (séc. V)
22        Santa Júlia, Mártir da Córsega (séc. V)
22        Santa Quitéria, Virgem e Mártir (séc. V)
22        Santa Humildade, Abadessa Vallombrosana (1226-1310)
22        Santa Rita de Cássia, Viúva e Religiosa (1381-1447)
22        Beata Ma. Domingas Brun Barbantini, Fundadora (1789-1868)
24        Santa Joana, uma das santas mulheres, “a Mirofora” (séc. I)
24        Santa Amália, Mártir de Tavio (séc. III)
24        Sta. Ágata Kim, Mãe de Família, Mártir de Seul, Coréia († 1839)
25        Santa Ma. Madalena de Pazzi, Carmelita (1566-1607)
25        Santa Madalena Sofia Barat, Fundadora (1779-1865)
26        Santa Felicíssima, Mártir (séc. III/IV)
26        Beata Regintrude de Nonnberg, Abadessa († 750)
26        Santa Mariana de Jesus Paredes, Virgem (1618-1645)
27        Santa Bárbara Kim, Viúva, Mártir de Seul, Coréia († 1839
27        Santa Bárbara Yi, Virgem de 15 anos, Mártir de Seul († 1839)
28        Santa Ubaldesca Taccini, Virgem da Ordem de Malta (1136-1206)
28        Beata Margarida Pole, Mãe de Família, Mártir Inglesa (séc. XVI)
28        Beata Ma. Bartolomea Bagnesi, Dominicana (1514-1577)
28        Beata Ma. da Natividade, Virgem Mercedária († 1580)
29        Santa Bona de Pisa, Virgem (1155/6 – 1207)
29        Beata Geraldesca, Viúva e Camaldulense (c.1200 – c. 1270)
29        Santa Ursula Ledochowska (1865-1939
29        Beata Elia de S. Clemente, Carmelita (1901-1927)
30        Santos Emélia e Basílio, Esposos († 370)
30        Santa Dinfna, Virgem e Mártir (séc. VII)
30        Santa Joana d’Arc, a Donzela Guerreira (séc. XV)
30        Beata Marta Maria Wiecka, Ir. Vicentina (1874-1904)
30        Beata Ma. Celina da Apresentação, Clarissa (1878-1897)
31        Santa Petronilha, Mártir (séc. I)
31        Santa Camila Batista de Varano, Clarrisa (1458-1524)

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Sta Catarina de Siena, Doutora da Igreja - Festejada 29 de abril

     Em 25 de março de 1347, Lapa Benincasa deu à luz duas gêmeas em seu vigésimo quarto parto. Uma delas não sobreviveu após o Batismo. A outra, Catarina, tornar-se-ia a glória de sua família, de sua pátria, da Igreja e do gênero humano.
     Giacomo di Benincasa, seu pai, era um tintureiro bem estabelecido, "homem simples, leal, temeroso de Deus, e cuja alma não estava contaminada por nenhum vício"; piedoso e trabalhador, criava sua enorme família de 25 filhos no amor e no temor de Deus. Catarina, a penúltima da família e caçula das filhas, teve a predileção de todos e cresceu num ambiente moral puro e religioso.
     Aos 7 anos de idade Catarina consagrou a sua virgindade a Cristo; aos 16, cortou sua longa cabeleira para evitar um casamento; e aos 18, recebeu o hábito das Irmãs da Penitência de São Domingos.
     Catarina encarou a sua clausura com seriedade e vivia encerrada no seu próprio quarto, onde, por intermédio da oração e diálogo afirmava que estava sempre com e em Cristo. Abandonou a sua cela somente em 1374, quando a peste se alastrou por toda a Europa e ela decidiu cuidar dos enfermos e abandonados, tendo praticado grandes atos de caridade.
    Nesse mesmo ano (1374), teve uma visão e ficou estigmatizada. Na visão Cristo lhe disse que ela trabalharia pela paz, e mostraria a todos que uma mulher fraca pode envergonhar o orgulho dos fortes. Analfabeta, aprendeu milagrosamente a ler e escrever, para poder cumprir a missão pública que Deus lhe destinava.

Sua Missão
     No fim da Idade Média — quando a gloriosa Civilização Cristã já decaía a olhos vistos — a Itália era um aglomerado de reinos e repúblicas que viviam em guerra entre si, ou, em uma mesma cidade, guerra entre facções contrárias. Catarina foi várias vezes chamada a ser o seu anjo pacificador. Assim, viajou ela de Siena para Florença, Luca, Pisa e Roma como pacificadora.
     Em 1375, toda a Itália estava envolvida em graves disputas políticas relativas à volta do papado; organizavam-se milícias nas cidades de Perusa, Florença, Pisa e em toda a Toscana, em revolta contra o poder político do Papa Gregório XI.
     Catarina, mediadora entre o Papa e os conjurados, inicia uma correspondência incessante com o Papa Gregório XI, cheia de piedade e amor filial, cada vez mais premente, em favor dos súditos dos Estados Pontifícios que se tinham rebelado contra ele: "Santíssimo e dulcíssimo Pai em Nosso Senhor Jesus Cristo [...] Ó governador nosso, eu vos digo que há muito tempo desejo ver-vos um homem viril e sem temor algum. [...] Não olheis para a nossa miséria, ingratidão e ignorância, nem para a perseguição de vossos filhos rebeldes. Ai! que a vossa benignidade e paciência vençam a malícia e a soberba deles. Tende misericórdia de tantas almas e corpos que morrem".
     Censurou o rei da França por guerrear contra cristãos e não empenhar-se na cruzada: "Eu peço-vos que sejais mais diligente para impedir tanto mal e para ativar tanto bem, como é a recuperação da Terra Santa e daquelas almas infelizes que não participam do Sangue do Filho de Deus. Desta coisa vos deveríeis envergonhar, vós e os outros senhores cristãos; porque é uma grande confusão diante dos homens, e abominação diante de Deus, fazer a guerra contra os irmãos e deixar os inimigos; e querer tirar o que é dos outros e não reconquistar o que é seu. Eu vos digo, da parte de Jesus Crucificado, que não demoreis mais a fazer esta paz. Fazei a paz e fazei toda a guerra contra os infiéis".
     Catarina, devorada de zelo e amor pela Igreja, ansiava pela pacificação da Cristandade para que, unidos, os cristãos se dispusessem a seguir em uma Cruzada para libertar os Santos Lugares.
     Ela decidiu seguir até Avinhão, cidade onde os papas viviam desde há mais de 70 anos, e apresentar-se diante de Gregório XI para convencê-lo a regressar a Roma, pois isto seria fundamental para a unidade da Igreja e a pacificação da Itália.
     Em Avinhão, diante dos cardeais, Catarina ousou proclamar os vícios da corte pontifícia e pedir, em nome de Cristo Jesus, a reforma dos abusos. Gregório XI a chamara para dar sua opinião em pleno Consistório dos Cardeais. Ela o convenceu a voltar a Roma.
     Em 17 de janeiro de 1377, Gregório XI deixa Avinhão, apesar da oposição do Rei francês e de quase todo o Sacro Colégio. Ele ainda hesita no caminho, e ela o conjura a ir até o fim.
     Mas a paz na Igreja não seria longa. Outra vez a república de Florença revoltou-se contra o Papa, que apelou para Catarina. Rejeitada por aquela cidade, a Santa quase foi martirizada. Gregório XI, gasto, envelhecido, sofrido, não resistiu e entregou sua alma a Deus.
     Os cardeais elegem Urbano VI. Conhecendo Catarina, e vendo nela o espírito de Deus, o novo Pontífice a chama a Roma para estar a seu lado. Não sem razão, pois cardeais franceses, desgostosos com o novo Papa, voltam para Avinhão, anulam sua eleição e elegem o antipapa Clemente VIII. A Cristandade mergulha em nova divisão: o Grande Cisma do Ocidente.
     Catarina tentou inutilmente trazer de volta ao verdadeiro redil os três cardeais, autores principais do cisma. Escreveu a reis e governantes da Europa para trazê-los ao verdadeiro Papa. Catarina escreveu 150 cartas a cardeais, bispos e prelados; e a reis, príncipes e governantes, 39.
     "As angústias que lhe causavam as revelações sobre o futuro da Igreja foram para essa Santa [Catarina de Siena] como uma paixão dolorosa. Ela clamava ao Senhor e pedia graça para essa Igreja, Esposa de seu Divino Filho: `Tomai, ó meu Criador, este corpo que eu recebi de vossas mãos. Não perdoeis nem a carne nem o sangue; rompei-o, lançai-o nas brasas ardentes; quebrai meus ossos, contanto que vos praza de me ouvir em favor de vosso Vigário'".

Doutora da Igreja
     Santa Catarina foi agraciada com o "casamento místico"; recebeu estigmas semelhantes aos de Nosso Senhor e teve uma "morte mística", durante a qual foi levada em espírito ao Inferno, ao Purgatório e ao Paraíso; teve também uma "troca mística de coração" com Nosso Senhor.
     Entre seus inúmeros discípulos, os caterinati, havia membros do clero, da nobreza e do povo mais miúdo. Um deles, São Raimundo de Cápua, seu confessor, foi também seu primeiro biógrafo e quem nos forneceu pormenores de sua impressionante vida.
     "Todos os seus contemporâneos dão testemunho de seu extraordinário charme, que prevalecia ainda em meio da contínua perseguição à qual ela foi sujeita, mesmo da parte dos frades de sua própria Ordem e de suas irmãs em religião".
     Uma das suas obras ditadas, Diálogo sobre a Divina Providência, é ainda hoje considerada um dos maiores testemunhos do misticismo cristão e uma exposição clara de suas ideias teológicas e de sua mística. Este livro compila as revelações - umas sublimes e outras terríveis - feitas por Deus à Santa durante seus êxtases. Seus secretários anotavam suas palavras durante os êxtases a seu pedido.
     Santa Catarina faleceu no dia 29 de abril de 1380, aos 33 anos. Em 1970, Paulo VI declarou-a Doutora da Igreja, sendo a única leiga a obter esta distinção. João Paulo II declarou-a co-padroeira da Europa, juntamente com Santa Brígida da Suécia e Santa Teresa Benedita da Cruz. É Padroeira da Itália. Sua festa comemora-se no dia 29 de abril.

Fonte:  Grandes Santos que Iluminaram o Mundo, Plinio Ma. Solimeo

Conselho de Santa Catarina de Sena sobre a Santa Paciência
     “Deveremos afirmar, então, que nenhum sofrimento é grande? De modo algum. E se a sensualidade se revoltar, lembremos-lhe: 'Atenção, pois o fruto da impaciência é o castigo eterno, que receberás no dia do juízo. É melhor para ti querer o que Deus quer, amar o que Ele ama, ao invés de querer o que preferes e amar o que agrada à sensualidade. Quero que suportes virilmente a dor, já que os sofrimentos desta vida não têm comparação com a glória futura, preparada por Deus aos que o temem (Rom. VIII, 18; ICor. II, 9) e cumprem sua vontade”.

(Santa Catarina de Sena. Carta 5, para Francisco de Montalcino)
- - -
Nosso Senhor a Santa Catarina de Sena, sobre o homossexualismo
     “Esses infelizes ... caem no vício contra a natureza. São cegos e estúpidos, cuja inteligência obnubilada não percebe a baixeza em que vivem. Desagrada-me esse último pecado, pois sou a pureza eterna. Ele me é tão abominável que somente por sua causa fiz desaparecer cinco cidades (cfr. Sab. 10, 6). Minha justiça não mais consegue suportá-lo”.
     “Esse pecado, aliás, não desagrada somente a mim. É insuportável aos próprios demônios, que são tidos como patrões por aqueles infelizes ministros. Os demônios não toleram esse pecado. Não porque desejam a virtude; por sua origem angélica, recusam-se a ver tão hediondo vício. Eles (os demônios) atiram as flechas envenenadas de concupiscência, mas se voltam no momento em que o pecado é cometido”.

(Fonte: “O Diálogo”: Edições Paulinas, 1984, pp. 259-260)

terça-feira, 26 de abril de 2011

Nossa Senhora do Bom Conselho de Genazzano - Festejada 26 de abril

    



     Nossa Senhora do Bom Conselho (em latim Mater boni consilii) é uma das invocações da Virgem Maria. Esta devoção está centrada num ícone da Virgem atualmente exposto em Genazzano, Itália, na Igreja de Nossa Senhora do Bom Conselho.
     As origens do ícone são envoltas em lendas e milagres. A história se divide em duas partes. A maioria dos relatos liga uma imagem de Nossa Senhora de Shkodra (Bom Conselho) cultuada na Albânia e o ícone atualmente venerado na Itália.
     Na Albânia Nossa Senhora era venerada desde tempos muito antigos sob este e outros títulos. Um deles é o de Zoja e Bekueme (Senhora Bendita), e havia muitas capelas a ela dedicadas. Especialmente uma delas, localizada em Shkodra, onde havia um ícone da Virgem, se tornou um centro de peregrinação durante as guerras contra os Otomanos.
     Um dia, durante um cerco à cidade, dois albaneses devotos se postaram ao pé da imagem e rezaram para que pudessem escapar com segurança. Neste momento a imagem se desprendeu do altar e flutuou no ar, saindo da igreja. Os dois homens, Gjorgji e De Sclavis, seguiram a pintura, que finalmente os conduziu até Roma, onde desapareceu diante de suas vistas. Lá, depois de algum tempo, ouviram rumores sobre uma imagem da Virgem que aparecera miraculosamente em Genazzano. Acorreram para o local e identificaram a imagem como a sua venerada Zoja e Bekueme. Depois disso os dois fixaram morada na cidadezinha.
     Aqui inicia a outra parte da história. Quando o Papa Sisto III solicitou ajuda dos fiéis para renovações na Basílica de Santa Maria Maggiore, o povo de Genazzano contribuiu generosamente, recebendo em troca um terreno na sua cidade, onde foi erguida uma igreja sob a invocação de Nossa Senhora do Bom Conselho. Com a passagem do tempo a igreja, sem cuidados, foi caindo em ruínas.
     Em 1467, uma viúva do local, Petruccia de Geneo, sentiu-se movida a reparar o templo com seus próprios, mas reduzidos, recursos. Sem encontrar ajuda, ela gastou o que possuía sem conseguir terminar as obras.
     Na festa de São Marcos, em 25 de abril daquele ano, a população se reuniu para festejar. Por volta das 16h o povo ouviu uma bela música, e procurou de onde vinha. Então viram uma nuvem, e em meio ao céu claro, descer do céu e cobrir uma das paredes inacabadas da igreja, lá permanecendo por algum tempo. Quando a nuvem se dissipou, a população atônita viu sobre a parede uma pintura da Virgem com o Menino onde nada existia antes, e então os sinos começaram a tocar sozinhos, atraindo as pessoas de longe para ver o que estava acontecendo. A própria Petruccia, que estava longe, veio depressa, e ao ver a imagem caiu em prantos.
     Depois da notícia se espalhar por toda a Itália, peregrinos começaram a chegar de todos os lugares, e assinalou-se a ocorrência de muitos milagres diante da pintura. Foi tão grande o número de prodígios que foi indicado um notário para registrar os mais notáveis, e este registro ainda existe, listando 171 milagres.
     Além de suas propriedades miraculosas, a imagem por si mesma é extraordinária, pois ela desde o século XV permanece como que suspensa no ar, sem moldura ou fixação, afastada da parede cerca de três centímetros, apenas parcialmente tocando uma base em sua borda inferior. Relatos diversos afirmam ainda que a fisionomia da Virgem muda de acordo com certas circunstâncias.
     O povo da Albânia não esqueceu da imagem desaparecida, e ainda a festeja duas vezes no ano, rezando para que ela volte para sua antiga casa. Pio XII colocou seu papado sob a proteção da Virgem do Bom Conselho.

Nossa Senhora do Bom Conselho, da Itália para o Brasil
Maravilhosa história do quadro venerado há várias décadas na igreja de São Luís, na capital paulista

     Ensina-nos o Catecismo que, entre as Obras de Misericórdia espirituais, a primeira é "dar bom conselho". Em meio ao terrível caos mental da sociedade contemporânea, o que o homem mais precisa é dessa Obra de Misericórdia. Assim, a devoção a Nossa Senhora do Bom Conselho reveste-se de importância capital.
     Catolicismo já publicou várias matérias sobre o milagroso afresco de Nossa Senhora do Bom Conselho, venerado na cidade italiana de Genazzano. Apresentamos a seguir, resumidamente, a história de uma cópia desse afresco de Nossa Senhora do Bom Conselho, que a própria Mãe de Deus quis enviar ao Brasil.

Dois irmãos da cidade de Itu tornam-se jesuítas
     Em meados do século XVIII, na tradicional cidade paulista de Itu, os irmãos Miguel e José, da família Campos Lara, uma das mais distintas da localidade, eram noviços da Companhia de Jesus.
     A combativa Ordem fundada pelo grande Santo Inácio de Loyola era então muito perseguida. Em 1760, o Rei de Portugal D. José I -- influenciado por seu ímpio ministro Marquês de Pombal -- expulsou de Portugal, Brasil e outras colônias a Companhia de Jesus.
     Jovens de verdadeira têmpera, os irmãos Campos Lara acompanharam os jesuítas em sua viagem de exílio a Roma. Na Itália, tendo concluído os estudos, receberam a ordenação sacerdotal. Pouco tempo depois, faleceu o Padre Miguel. Quanto ao Padre José, foi enviado por seus superiores a vários lugares.
     Porém, os governos ímpios de vários países vinham exercendo fortes pressões para que o Papa extinguisse a Companhia de Jesus. As coisas chegaram a tal ponto que, em 1773, Clemente XIV fechou-a.
     Por mais terrível e inexplicável que fosse aquela dificuldade, o Padre José de Campos Lara não desanimou. Confiou em Nossa Senhora, e a Virgem enviou-lhe um embaixador celeste para ajudá-lo.

Encontro com um Anjo nas areias da praia
     Corria o ano de 1785, e fazia 25 anos que o Padre José deixara o Brasil. Quando passeava pensativo por uma praia deserta, deparou com um jovem, o qual lhe ofereceu um quadro a óleo representando a Mãe do Bom Conselho, e dizendo-lhe que o levasse para o Brasil. E, ao mesmo tempo, lhe anunciou que no lugar onde Ela fosse venerada erguer-se-ia um grande colégio jesuíta.
     Respondeu-lhe o sacerdote não dispor de recursos para a viagem. Mas o jovem desconhecido garantiu-lhe que o comandante de um navio prestes a partir o admitiria gratuitamente. Consolado, quis o Padre Campos Lara despedir-se de seu interlocutor, mas eis que este havia desaparecido. Persuadido de que se tratava de um Anjo, dirigiu-se ao cais e encontrou o navio indicado. Seu capitão concordou em aceitá-lo como passageiro gratuito.

Regresso a Itu
     Depois de longa viagem, o navio chegou finalmente a Santos, de onde o Padre José dirigiu-se com o quadro para a sua cidade natal, Itu. Seus pais, já falecidos, haviam-lhe deixado de herança uma chácara, na qual ergueu uma capela para venerar a imagem do Bom Conselho.
     A primeira parte da profecia do Anjo estava cumprida. O Padre Campos Lara agradeceu à Mãe do Bom Conselho, e continuou a rezar e a confiar. Agora faltava a restauração da Companhia de Jesus, para que pudesse ser erguido o colégio jesuíta.
     Ao completar 35 anos de seu retorno ao Brasil, cerrou para sempre os olhos o Padre José de Campos Lara.

Ergueu-se o Colégio Jesuíta, após 87 anos
     Anos depois, a chácara do Padre Campos Lara foi doada à Companhia de Jesus, cujas atividades no Brasil haviam se reiniciado. Nesse local, em 1868, os filhos de Santo Inácio ergueram um grande colégio.
     Em 1872, o quadro da Mãe do Bom Conselho foi entronizado no altar-mor da nova igreja, anexa ao colégio.
     E quando o colégio foi transferido para a cidade de São Paulo, em 1918, com ele foi também o quadro. Hoje ele se encontra numa capela interna no edifício atual do Colégio São Luiz, ao lado da igreja de mesmo nome.
     Quando estudante do Colégio São Luís, o Prof. Plínio Corrêa de Oliveira rezou muitas vezes diante do milagroso quadro. Durante toda sua heróica existência, sempre teve ardentíssima devoção a Nossa Senhora, particularmente sob a invocação de Mãe do Bom Conselho de Genazzano.

Fontes
www.catolicismo.com.br - Abril de 1996
pt.wikipedia.org/.../Nossa_Senhora_do_Bom_Conselho


segunda-feira, 25 de abril de 2011

Santa Maria de Santa Eufrásia, Fundadora - Festejada 24 de abril


     Santa Maria de Santa Eufrásia Pelletier nasceu a 31 de julho de 1796, na Ilha de Noirmoutier, próxima à costa da Bretanha, onde seus pais se haviam refugiado durante a contra-revolução da Vendéia. Era a última de oito filhos do piedoso e caritativo médico Juliano Pelletier e de Ana Amada Mourain. No Batismo, recebeu o nome de Rosa Virginia.
     Rosa ficava muito impressionada com a Fé profunda de seus pais em meio a terrível Revolução Francesa. Cresceu na atmosfera criada pelas histórias contadas sobre lutas heróicas do catolicismo da Vendéia contra os desmandos da Revolução Francesa, o que talvez explique em parte a sua fé robusta e conquistadora.
     Ela desfrutava das belezas de sua ilha-prisão, mas o viver numa família carinhosa não ocultava o lado sério da vida: traficantes de escravos na costa, morte inesperada do pai quando tinha 10 anos, ida para um internado fora da ilha e perda de sua mãe quando era uma jovenzinha. Educada pelas Ursulinas de Chavagne, freqüentou também o Instituto da Associação Cristã de Tours.
     Na escola de Tours, Rosa ouviu falar do Convento do Refúgio, pertencente a uma Congregação que São João Eudes havia fundado em 1641, para resgatar mulheres decaídas e proteger meninas e jovens órfãs. A Congregação se chamava Instituto de Nossa Senhora da Caridade do Refúgio ou do Bom Pastor.
     Rosa sentiu-se atraída pela Congregação, entrou no noviciado em 1814 e tomou o nome de Maria de Santa Eufrásia. A sua generosidade e a sua confiança em Deus cresceram. Logo lhe deram a responsabilidade de cuidar de um grupo de meninas. Seu fervor não tinha limites.
     Em 1825, quando foi eleita Superiora, fundou a Obra das Madalenas, distinta das Penitentes e das Preservadas, constituindo verdadeira Congregação para as jovens reconduzidas ao caminho reto poderem aderir à vida religiosa, segundo o modelo carmelitano, com Regra e hábito, morando em uma ala própria do convento. A vida de oração, proposta por ela às "madalenas", "valia mais que mil belas palavras das Irmãs, destinadas a converter essas pobres raparigas".
     O empenho da Santa como Superiora não excluía a busca de melhorias no vestuário, na alimentação e nas instalações do seu rebanho. Em 1830, havia na casa 70 penitentes, 12 "madalenas" e 80 órfãs.
     Em 1829, a cidade de Angers pediu uma nova fundação. Há vários anos a cidade contava com uma Casa do Refúgio, chamada "O Bom Pastor", mas que estava em decadência. Madre Santa Eufrásia (como era conhecida) para lá se dirigiu a fim de tomar posse da casa. O êxito que ela obteve ali foi tão grande, que a população da cidade não queria deixá-la voltar para a comunidade de Tours. Após longas negociações, Madre Pelletier foi nomeada Superiora da nova fundação.
     Em 1830, novas desordens causadas pelos revolucionários resultaram na partida de muitas noviças.
     Em 1831, Madre Maria Eufrásia fundou uma comunidade contemplativa no convento de Angers. Conhecidas hoje como Irmãs Contemplativas do Bom Pastor, têm a missão de rezar pelas pessoas com quem as Irmãs Ativas exercem seu trabalho apostólico e pela salvação das pessoas do mundo inteiro.
     "Os princípios em Angers foram muito custosos: sem móveis, sem cobertores, sem vestuários, por vezes sem alimentação, ficamos um ano sem Missa, fora do domingo e da quinta-feira. O Senhor Bispo tinha o ar de não saber da nossa existência, e outras pessoas, que desejavam fazer-nos bem, julgavam que nós éramos riquíssimas! Mas o santo fervor não desfaleceu nunca". A Madre escrevia depois das espoliações e perseguições de 1848: "As lágrimas correm às torrentes, mas a paz mantém-se... O Pai de família vem semear entre nós cruzes bem pesadas: é para que, desenvolvendo-se em nós mais profundamente as raízes da humildade, nos possamos desenvolver e elevar-nos mais e mais".
     O estímulo de trabalhar sempre mais para a redenção de tantas transviadas a levou a transformar a casa de Angers na casa mãe de uma organização paralela ao Instituto de Nossa Senhora da Caridade, com a finalidade específica de centralização organizativa, já que o Instituto tinha conventos autônomos.
     Sem perder nada de sua humildade e de seu respeito pela autoridade, a jovem Superiora (de quem uma de suas admiradoras disse que "tinha madeira para governar um reino"), conseguiu, com a ajuda da Providência, fundar em Angers um novo Instituto, o Instituto do Bom Pastor, do qual se tornou Superiora Geral. Vislumbrando o papel mundial do seu Instituto, a Fundadora pretendia colocá-lo sob a proteção da Santa Sé e, para isto, ligá-lo diretamente a Roma, de maneira que nenhum bispo pudesse fazer mudanças nas constituições. Apoiada no Bispo de Angers, Madre Pelletier conseguiu obter do Papa Gregório XVI que desse à Congregação um cardeal protetor.
     Ela encontrou muita resistência a esta divisão do Instituto, seja da parte da autoridade religiosa, seja dos conventos, que pretendiam conservar sua autonomia. A sua coragem e o seu zelo foram apoiados pelo Papa Gregório XVI, que aprovou o Instituto em 3 de abril de 1835.
     O progresso da Congregação foi muito rápido e a sua Obra se difundiu no mundo todo, fazendo um bem imenso na reeducação feminina. A formação de uma centena de noviças exigia de Madre Santa Eufrásia uma solicitude maternal. Além disto, as fundações na Europa, na África e na América, deviam ser acompanhadas por seus cuidados.
     Os resultados obtidos pela força da bondade e da sensibilidade pedagógica das religiosas suscitam ainda hoje a admiração das autoridades civis. As jovens que atingem a maioridade não são abandonadas: elas podem escolher permanecer no Instituto do Bom Pastor ou são encaminhadas a outras obras católicas. Além da assistência, da educação religiosa e moral, é-lhes garantida uma instrução intelectual e técnica tornando possível sua inserção na vida social.
     Santa Maria Eufrásia fundou 110 casas durante sua vida. Quando morreu, em Angers, a 24 de abril de 1868, a Congregação existia em vários países e contava com 2.760 religiosas, 960 "madalenas" e 15 mil jovens e meninas órfãs.
     Em suas múltiplas provas e dificuldades, que também incluíram os ataques dos traficantes da inocência feminina, bem como as acusações de espírito de inovação, ambição pessoal e desejo de autoridade, a Santa deu provas de fortaleza heróica e absoluta confiança em Deus.
     Madre Santa Eufrásia foi beatificada a 30 de abril de 1933 por Pio XI e canonizada por Pio XII a 2 de maio de 1940. Uma imagem sua, feita pelo escultor G. Nicolini, foi colocada na Basílica de São Pedro, no Vaticano, entre os grandes fundadores de Ordens Religiosas. Os seus despojos estão em Angers, na Capela do Instituto.
     "Tendo concebido todas minhas Filhas na Cruz", disse em certa ocasião, "amo-as mais que a minha própria vida; depois, este amor tem suas raízes em Deus e no conhecimento de minha miséria, pois reconheço que, se tivesse tanto tempo de profissão como elas, não suportaria nem as privações nem os trabalhos que elas suportam".
     A espiritualidade de São João Eudes é o ponto central do espírito religioso de Santa Maria Eufrásia Pelletier. Para São João Eudes, o núcleo de nossa Fé como cristãos batizados consiste em formar Jesus em nós. "A vida cristã", escrevia São João Eudes, "é uma continuação e um complemento da vida de Jesus. ... Formar Jesus em nós mesmos deve ser nosso desejo, nossa preocupação e nossa principal ocupação".
     Jesus, Deus feito carne, nos ama intensamente e nos mostrou como viver e servir. Ele oferece o dom de seu próprio Coração a cada um de nós, para com Ele podermos amar especialmente os mais necessitados de seu Amor Misericordioso.
     Para Santa Maria Eufrásia, a imagem do Bom Pastor é a que melhor expressa o amor misericordioso de Deus para conosco. "Jesus, o Bom Pastor", dizia ela a suas Irmãs, "é o verdadeiro modelo que temos que imitar. Vós não fareis nenhum bem se não tiverdes os pensamentos e os afetos do Bom Pastor, de Quem vós tendes que ser imagens vivas".
     A Santa plasmou realmente para suas Irmãs a ternura e a solicitude do Bom Pastor, que deixa as 99 ovelhas para buscar a que se perdeu. Inspirada por seu exemplo, cada Irmã busca viver e servir com o coração do pastor, recordando sempre a filosofia da Fundadora: "Uma pessoa vale mais que o mundo todo".
     A atividade incansável de Santa Maria Eufrásia não impedia uma vida de contemplação, elevada a um alto grau de união mística. "Quando não tiverdes senão Deus, minhas queridas Filhas, a vossa oração será mais pura, a vossa prece mais fervorosa. Eu consentiria em estar muito tempo privada da felicidade do Céu, contanto que na terra tivesse Nosso Senhor para amar na Eucaristia e almas para salvar. Ah! minhas Filhas, quanta fé nos dão as cruzes!"
     "A glória de Deus e a salvação das pessoas – esta é minha vida".
     "Devemos ter os pensamentos, os sentimentos e os afetos de Jesus Bom Pastor".
     "Eu não tinha grandes talentos, nem tampouco riquezas. Só amei. Porém amei com todas as forças de minha alma...".
     "Minhas Filhas queridas, deixo-vos como meu testamento o amor à cruz e o zelo pela salvação das almas".
     "Se vos amardes sempre e vos ajudardes mutuamente, podereis realizar maravilhas".
     "Duas coisas são essencialmente necessárias, amadas Filhas: o espírito interior e o amor ao sofrimento".
     "Não quero que se diga de mim que sou francesa... Sou de todos os países onde há almas para salvar".


Fontes: Padre José Leite, S.J., Santos de Cada Dia, 3a ed., Ed A O – Braga; www.santiebeati.it

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Santa Oportuna de Séez, Abadessa - Festejada 22 de abril

                                           “A taumaturga da Normandia”

     Uma Vita et miracula Sanctae Opportunae foi escrita cerca de um século após sua morte (ca. 885-88) por Santo Adelino), bispo de Séez.
     Santa Oportuna nasceu na outrora importante Exmes, na diocese de Séez, próximo de Argentan, numa data desconhecida. Seu pai governava esta região com o título de conde; seu irmão, Santo Godegrande, ocupava a sede episcopal de Séez; e sua tia, Santa Lantilde, era abadessa das beneditinas de Almenèches, fundada dois séculos antes.
     Muito jovem Oportuna decidiu ingressar no convento. Embora a abadia beneditina de Almenèches governada por sua tia ficasse mais próxima, ela preferiu a solidão de Montreuil, pequeno mosteiro no vale do Auge, célebre por sua estrita observância. Oportuna recebeu o véu pelas mãos de seu irmão, Godegrande, alguns dias após sua entrada na abadia.
     Após o falecimento da abadessa, as religiosas escolheram Oportuna para sucedê-la. A nova abadessa mudou de condição, mas não de conduta, aumentou suas devoções e penitências. Ela dormia sobre a terra nua e tinha por coberta um simples cilício; alimentava-se apenas de pão e aos domingos comia um pouco de peixe; jejuava nas 4as e 6as feiras.
     Oportuna primava pela prudência e pela caridade com os pobres; tinha uma maneira muito peculiar para instruir suas filhas, ou para corrigi-las, sempre temperando a justiça com a misericórdia, por suas orações e exemplo. Ela fazia isto tão bem, que as mais recalcitrantes se tornavam dóceis aos movimentos do espírito de Deus que a conduzia.
     Contudo, como a vida dos justos é cheia de cruzes para estar conforme a de Jesus Cristo, Deus permitiu que ela as tivesse e a maior foi a seguinte.
     Seu irmão, Godegrande, fez uma viagem a Roma e a Palestina para visitar os lugares santos. Ele deixou como vigário geral Godoberto. Este, ao invés de agir como o bom pastor, tornou-se um lobo por suas injustiças, especialmente contra as pessoas religiosas da diocese e em particular contra Oportuna. Sua ambição, tão alta quanto violenta, o fez se consagrar bispo de Séez. Oportuna rezava pedindo o fim de tanta desordem.
     Finalmente, sete anos depois de sua partida, o Santo voltou a sua diocese e restabeleceu a ordem. Furioso com sua deposição, Godoberto conspirou contra a vida do santo bispo e o mandou assassinar durante o trajeto de uma visita que ele faria a irmã. Pessoas piedosas desejavam dar sepultura ao bispo, mas sua irmã, que chegara ao local do crime, o levou para seu mosteiro, onde ele foi solenemente sepultado.
     Algumas fontes dizem que Oportuna morreu de uma doença causada pelo sofrimento após a morte de seu irmão, que ocorreu dia 3 de setembro de 769. Embora ela tivesse previsto sua morte numa visão profética, nada pode fazer para impedi-la.
     Antes de sua morte a Santa teve uma visão: recebeu a visita das Santas Luzia e Cecília, cuja presença inundou sua cela de uma brilhante claridade e de um odor muito agradável; elas asseguraram que a Rainha dos céus logo viria buscá-la. Oportuna recebeu o santo viático e a Ssma. Virgem lhe apareceu para levá-la em seus braços. Era o dia 22 de abril de 770. Seu corpo foi sepultado próximo ao de seu irmão.
     Devido aos inúmeros milagres que ocorriam junto a sua sepultura, muito numerosas eram as visitas que lhe fazia o povo rogando por sua intercessão. Foram tantos os milagres alcançados, que Santa Oportuna ficou conhecida como “a taumaturga da Normandia”.
     A vita de Santa Oportuna relata que certa vez um camponês roubou um jumento do convento e recusava admitir seu crime. Oportuna deixou o caso nas mãos de Deus e no dia seguinte o campo do homem estava coberto de sal. O camponês arrependido não só devolveu o animal como doou as terras para as religiosas.
     A Santa é muito venerada entre as monjas beneditinas de Almenèches-Argentan, que a invocam para os casais estéreis que desejam um filho, e é a patrona das antigas igrejas paroquiais de Lessay.
     Em 1374, seu braço direito e uma costela foram colocados num relicário em uma pequena igreja dedicada a ela em Paris, próxima da ermida chamada Notre Dame des Bois. Conforme a cidade crescia, o mesmo se dava com a igreja. Seu relicário de Paris é levado em procissão junto com as relíquias dos Santos Honório e Genoveva.         

História da Abadia de Almenèches-Argentan
     Uma das mais antigas abadias femininas da França, com Poitiers e Jouarre, sua origem é bastante obscura; os mais antigos arquivos datam do século XII. Sempre modesta, a abadia atravessou séculos e enfrentou muitas vicissitudes, com duas interrupções: durante um século e meio, após as invasões vikings do século IX, e durante 30 anos após a Revolução Francesa.
     Segundo a tradição, no final do século VII, o monge Santo Evroul († 707) fundou 15 mosteiros na região, entre eles o de Almenèches, a 10 km sudoeste de Argentan, governado por Santa Lantilde no século VIII, e um outro, o Monasteriolum, a 17 km ao norte de Argentan. Neste foi abadessa Santa Oportuna notável por sua grande caridade fraterna e por sua devoção mariana.
     No fim do século IX, os dois mosteiros foram destruídos pelas invasões normandas. As relíquias de Santa Oportuna foram colocadas em segurança na região de Paris, sinal que ela já era objeto de uma grande veneração.
1060: Uma restauração difícil
     Rogério II de Montgomery, parente de Guilherme o Conquistador e “amigo dos monges”, reconstrói Almenèches em 1060, e dota a abadia de muitas ricas possessões na Normandia e na Inglaterra. Sua filha, Ema, aí se tornou abadessa em 1074. Uma parte das relíquias de Santa Oportuna retorna então a Almenèches, que a acolhe como patrona. Envolvidos, apesar deles, nas lutas opositoras dos Montgomery, os mosteiros foram incendiados por duas vezes, em 1103 e 1118, e ficaram muito empobrecidos.
Do século XII ao século XV, a decadência
     O Registro de Visitas do arcebispo de Rouen, de 1250 a 1260, menciona 33 religiosas que cantavam o Ofício. A decadência vai se acentuando no decorrer do século XIV, em seguida a um novo incêndio, em 1318, e das circunstâncias difíceis da época: a Guerra dos 100 anos, peste e problemas na Normandia. Em 1455, o bispo de Séez constata que o capítulo fora transformado em estábulo e que as religiosas se alojam como podem nas ruínas e arredores.
Nos séculos XV e XVI, uma renovação sob o signo de Fontevrault
     A ajuda da Abadia de Fontevrault tornou possível a necessária renovação da vida monástica. Um primeiro desenvolvimento foi dado por uma jovem abadessa vinda de Fontevrault, Maria de Alençon. Em 1517, 16 monjas de Fontevrault chegam a Almenèches para uma segunda reforma. O culto de Santa Oportuna começa então a se desenvolver, em seguida a um milagre.
     Com a Pseudo-reforma protestante a existência do mosteiro se tornou precária: em 1563, os huguenotes saquearam a abadia e o fervor se torna morno.
As grandes abadessas do período clássico
     Uma nova vitalidade foi dada pela jovem abadessa, Luisa Rouxel de Médavy (1593-1652), que se revelou uma grande abadessa: ela restaura o claustro e adota as Constituições de Poitiers, próximas da observância de Fontevrault. A vida no mosteiro se torna profundamente religiosa, mas de uma austeridade relativa. Ela também funda o priorado de Exmes em 1629, e participa do estabelecimento de muitos mosteiros, entre os quais o de Verneuil (1627). O impulso dado à comunidade se mantém sob as duas abadessas que a seguiram.
     Em 1736, a abadessa Helena Marta de Chambray se vê obrigada por Luis XV a fechar Almenèches e transferir o mosteiro para o antigo priorado Notre-Dame de la Place de Argentan, para facilitar o recrutamento.
     Às vésperas da Revolução Francesa, a comunidade contava com trinta monjas: todas se recusaram a prestar juramento a constituição civil do clero. Mas em 1792, elas foram dispersas. Duas delas foram aprisionadas.
A segunda restauração em 1822
     Em 1822, Carlota Bernart de Courmesnil conseguiu reagrupar as sobreviventes dos dois mosteiros, Argentan e Exmes, a princípio em Vimoutiers, depois, em 1830, em Argentan. Notre-Dame de la Place estando irrecuperável, a comunidade renascente se instala nas modestas construções do Quarteirão São Joaquim. Pouco a pouco elas vão crescendo no século XIX, com a abertura de um pensionato, de um orfanato e de uma escola gratuita, e, em 1874, de uma escola de rendas destinada a retomar a tradição esquecida do “ponto de Argentan”. As múltiplas tarefas educativas, desejadas pelo contexto político, afastam um pouco as religiosas do ideal monástico.
As leis de 1901 e o retorno à vida contemplativa
     Com as leis anti-congregacionistas do início do século XX, a existência do mosteiro é ameaçada. Em 1904, se procede ao inventário de seus bens: graças ao prestígio da escola de rendas, foi obtido um sursis. O pensionato foi fechado em 1907. Em 30 de junho de 1914, aparece o decreto de fechamento do mosteiro, mas a guerra o suspende oficialmente: uma parte do mosteiro é transformada em ambulatório e as religiosas ficam no local.
     A supressão do pensionato leva as monjas a retornar para a grande tradição monástica. Em 1912, o Ofício monástico substitui o Ofício romano e o título abacial é restaurado pela Santa Sé. A nova igreja abacial é dedicada em 1933.
     Durante a 2ª Guerra Mundial, o mosteiro sofre o bombardeiro de 6 de junho de 1944. Três monjas sucumbem, as outras encontram asilo na “Antiga Misericórdia” de Séez durante 14 anos. Foi a Madre São Leão Chaplain, abadessa de 1940 a 1964, que assegurou a unidade da comunidade nessas circunstâncias difíceis e pode reconstruir o mosteiro. Em 26 de julho de 1958, retornam a Argentan, em uma construção nova, situada às margens do Orne. A dedicação da igreja teve lugar no dia 17 de setembro de 1962.
     A comunidade conta agora com 46 monjas, que desejam cultivar a herança dos séculos passados e continuar a servir a Deus Nosso Senhor.
     É impressionante que após 1.241 anos de seu falecimento, Santa Oportuna continue tão presente. Que ela inspire o seu ideal monástico em muitas jovens almas de nossos dias!

domingo, 17 de abril de 2011

Beata Catarina Tekakwitha, o Lírio dos Mohawks - Festejada 17 de abril

     No ano de 1655, uma jovem índia foi capturada durante uma invasão dos Iroqueses. Seu nome era Kahenta. Nascera Algonquin e fora convertida pelos padres jesuítas. Levada para o território dos Mohawks, ela se casou com um chefe Mohawk pagão, que a salvara das torturas e morte, destino de muitos cativos. A aldeia dos Mohawks ficava em Ossernenon, ao longo da margem sul do Rio Mohawk, próximo da atual Auriesville, Estado de Nova York.
     No ano de 1656, nasceu a pequena Tekakwitha, “a que põe as coisas em ordem”, e tempos depois seu irmãozinho. Tekakwitha tinha mais ou menos quatro anos quando uma epidemia de varíola exterminou muitos habitantes da aldeia, entre eles seus pais e irmão. A pequena sobreviveu, mas a doença deixou marcas em seu rosto, sua visão é afetada e sua saúde se ressentiria para sempre. Tendo ficado órfã, seu tio, o novo chefe da aldeia, a adotou.
     Após a epidemia, a aldeia foi abandonada e os sobreviventes construíram um novo povoado chamado Caughnawaga, há umas cinco milhas de distância.
     Embora sua mãe tivesse sido batizada, Tekakwitha não o fora, mas ela era católica no fundo da alma. Ela sentia muita solidão, em parte devido à sua pouca visão e à sua aparência, mas também porque percebia o que tinha de errado na vida dos Mohawks. Ela era uma criança doce e tímida. Ajudava suas tias a trabalhar no campo, onde cultivavam milho, feijão e abóbora; cuidava da tenda em que viviam. Apesar de sua visão deficiente, ela também se tornou muito hábil no trabalho com contas.
     Talvez devido às marcas em seu rosto, ela não gostava de danças e celebrações. As torturas brutais de prisioneiros era algo em que toda a aldeia participava com entusiasmo, mas Tekakwitha não podia ver os sofrimentos impingidos às vítimas e permanecia sozinha em sua tenda.
     Os Iroqueses foram vencidos pelos Franceses quando ela tinha em torno de dez anos. Um tratado de paz foi assinado, que permitia aos padres jesuítas a ida às aldeias Mohawks. Embora contra a oposição da sua tribo, da sua família e especialmente de seu tio, Tekakwitha com freqüência encontrava-se com os padres que vinham à aldeia e aprendia tudo que podia sobre Deus.
     No ano de 1670, a Missão de São Pedro foi estabelecida na aldeia Caughnawaga e uma capela foi construída em uma das tendas. Em 1674, o Padre James de Lamberville, jesuíta missionário, chegou a Caughnawaga para cuidar da Missão de São Pedro.
     Tekakwitha compreendia apenas algumas coisas sobre a Fé pregada pelos missionários, mas havia nela um grande desejo de aprender tudo que pudesse sobre o Catolicismo. Ela desejava mais que tudo ser batizada e viver uma vida católica.
     Seus tios têm outros planos para ela: frustrados por suas contínuas recusas ao casamento, decidem enganá-la. Uma noite, eles pedem que ela vista suas melhores roupas, pois receberiam convidados. Eles chegaram: era um jovem e sua família. Os tios fazem-no sentar-se ao lado de Tekakwitha e ordenam que ela sirva sopa ao rapaz. Logo ela percebeu a trama: se ela oferecesse a ele a tigela, isto significaria que ela aceitava o casamento. Ela atirou a sopa no fogo e correu para fora da tenda em lágrimas, escondendo-se na plantação de milho até que os convidados tivessem partido.
     Um dia, o Pe. de Lamberville, sabendo embora da hostilidade de seu tio, seguiu um forte impulso e foi visitá-la e ela revela o seu grande desejo de ser batizada. Vendo a sinceridade da jovem, ele concordou em instruí-la. No dia 5 de abril de 1676, com a idade de vinte anos, Tekakwitha foi batizada na pequena capela da Missão, recebendo o nome de Kateri ou Catarina.
     A família de Catarina não aceitou sua escolha e passou a tratá-la como uma escrava; ela se tornou objeto de crueldades por parte de seu povo. Quando ela ia para a capela ou para a fonte, as crianças atiravam lama e pedras nela. Certa vez, quando se encontrava sozinha na tenda, um homem entrou abruptamente, brandindo um grande porrete de guerra e, dirigindo-se a ela, ameaça-a com a morte caso não renuncie à religião dos Roupas Pretas (era assim que os índios designavam os missionários). Catarina responde que ela preferia morrer a desistir de sua fé. Vendo-a tão calma, com suas mãos cruzadas e sua cabeça curvada, o atacante subitamente perde a coragem, larga o porrete e foge da tenda.
     Em virtude das hostilidades crescentes e porque ela desejava devotar sua vida a Deus, ela quer deixar Caughnawaga. Havia uma outra aldeia com o nome de Missão de São Francisco Xavier, em Sault St. Louis, próxima da colônia francesa de Montreal, uma missão jesuítica no Canadá para índios convertidos que como Catarina não tinham tranqüilidade nem segurança em suas aldeias. Uma antiga amiga de sua mãe, Anastastia Tegonhatsiio, já tinha ido para lá, mas seu tio não a deixaria ir.
     Em julho de 1677, o Pe. de Lamberville conseguiu que ela escapasse enquanto seu tio estava ausente numa viagem de negócios. Com ela foram mais duas pessoas.
     A viagem a pé, de mais de dois meses, não foi muito fácil: além das 300 milhas por densas florestas, vales profundos, rios e pântanos, seu tio, ao saber da fuga estava ao seu encalço. Catarina e seus companheiros, entretanto, conseguem escapar. Quando eles chegam ao Lago George, chamado na língua de Catarina, Andiarocte, eles encontram uma canoa e atravessam os Lagos George e Champlain em direção ao Canadá. Finalmente eles chegam sãos e salvos na aldeia da Missão; Catarina corre para a capela para render graças a Deus.
     Catarina recebeu a 1a. Comunhão no Natal do ano de 1677. Foi o dia mais feliz de sua vida. Ela tem então um lema: “Quem pode dizer-me o que mais agrada a Deus, para que eu o faça?” Embora não soubesse nem ler nem escrever, ela se dedica a ajudar os outros. Tem uma vida plena de oração, penitência, devotada a ensinar os mais jovens, a cuidar dos doentes e dos mais idosos.
     Era grande sua devoção a Mãe de Deus. Aprendeu rapidamente a Ladainha Lauretana de cor. Seu Rosário estava sempre à mão e Nossa Senhora era o seu modelo. A vida religiosa a atraia, mas os missionários negam-lhe permissão, pois ela só tem três anos de conversão.
     A 25 de março de 1679 Catarina tornou-se Esposa de Cristo: após a Sagrada Comunhão ela faz voto de perpétua virgindade. Na mesma ocasião ela se oferece a Maria Ssma. como filha.
     Catarina e Maria Teresa (Tegaiaguenta) tornaram-se grandes amigas e nesse ano de 1679 obtêm permissão para começar um pequeno convento na Missão.
     Como resultado de tribulações e austeridades, algum tempo depois de ter feito os votos ela caiu doente. Em breve está tão fraca, que não pode visitar a capela ou deixar o leito. Durante meses ela suportou grandes dores e febre contínua, mas nunca perdeu sua fé em Nosso Senhor Jesus Cristo e em Sua Mãe Ssma.
     Na Quinta-feira da Semana Santa, dia 17 de abril de 1680, por volta das quinze horas, ela expirou pronunciando com grande dificuldade e dor: “Jesus, Maria, eu Vos amo!”
     O Pe. Pierre Cholenec, um dos presentes no instante de sua morte, conta que, “no momento de sua morte, a face de Catarina, tão desfigurada em vida, quinze minutos após seu falecimento subitamente mudou e em instantes tornou-se tão bela, que assim que eu vi isto (eu estava rezando ao seu lado) eu dei um grito, fiquei tão aturdido, e mandei chamar o padre que estava atendendo as cerimônias da Quinta-feira Santa. Ao tomar conhecimento deste prodígio, ele acorreu com algumas pessoas que estavam com ele. Nós pudemos contemplar aquela maravilha até o momento de seu funeral. Eu admito francamente que meu primeiro pensamento, na ocasião, fora que Catarina podia ter entrado no Céu naquele instante e que ela tinha recebido – como por antecipação – em seu corpo virginal uma pequena indicação da glória que sua alma já teria possuído no Paraíso. Dois franceses provenientes de La Prairie de la Magdeleine vieram participar das cerimônias da Semana Santa. Eles passaram pela cabana de Catarina onde viram uma jovem deitada em seu tapete com uma tão bela e radiante face, que disseram um ao outro, “olhe esta jovem mulher dormindo tão pacificamente” e continuaram o caminho. Tomando conhecimento, minutos depois, de que se tratava de um cadáver, e que era Catarina, eles retornaram a cabana e se ajoelharam para se recomendarem às preces dela. Após ter manifestado sua devoção por ter podido admirar tão maravilhosa cena, eles quiseram demonstrar sua veneração pela jovem morta fazendo um caixão para conter tão preciosas relíquias”.
     A devoção por Catarina começou imediatamente. Antes de sua morte ela prometera, tal qual Santa Teresa de Lisieux, que se lembraria dos seus amigos da Terra e que os ajudaria do Céu. Ela logo cumpriu sua promessa: curas aconteciam quando ela era invocada ou quando se usava sua relíquia.
     No início no século XX foram feitos pedidos a Roma para sua canonização. Declarada Venerável a 3 de janeiro de 1943 pelo Papa Pio XII, ela foi beatificada por João Paulo II em junho de 1980.
     Santuários dedicados a Bem-aventurada Catarina Tekakwitha foram erigidos em São Francisco Xavier, Caughnawaga, em Auriesville e em muitos outros lugares. Milhares de fiéis peregrinam a esses locais até nossos dias.
     A Bem-aventurada Catarina Tekakwitha é a primeira americana nativa declarada bem-aventurada. É festejada a 17 de abril.