sábado, 11 de maio de 2013

Beata Juliana de Norwich, Mística - 13 de maio

     Ignora-se o seu nome de Batismo e o de sua família. O seu livro Revelações do Amor Divino, que contém dados sobre sua existência, é mencionado por uma testemunha recentemente descoberta: Margery Kempe, outra mística de seu tempo, que em sua autobiografia diz que no ano 1413 visitou "Lady Julian" para obter conselhos de direção espiritual.
     Juliana, nome como era conhecida em vida, e pelo qual ficará conhecida para sempre, talvez tenha sido adotado em honra de São Julião, patrono da igreja junto à qual transcorreu grande parte de sua vida. A igreja pertencia ao Mosteiro de Beneditinas de SS. Maria, dentro da cidade de Norwich. Há um debate acadêmico sobre se Juliana era uma monja do priorado, ou uma leiga. Ela viveu em uma ermida de três quartos do lado de fora do mosteiro, e tinha dois servidores que a atendiam quando atingiu a idade avançada.
     Aos 30 anos, quando ela vivia em casa, sofreu uma doença grave. Embora aparentemente em seu leito de morte, ela teve uma série de visões intensas de Jesus Cristo, que terminaram no momento em que ela se recuperou de sua doença, no dia 13 de maio de 1373.
     Juliana escreveu sobre suas visões imediatamente depois que elas tinham acontecido: esses escritos são conhecidos como "O texto curto". Vinte a trinta anos mais tarde, ela escreveu uma meditação teológica sobre o significado das visões, conhecida como "O texto longo". Suas visões foram a fonte de sua grande obra, Revelações do Amor Divino, que ela escreveu em torno de 1393. Acredita-se ser o mais antigo livro escrito no idioma inglês por uma mulher.
     Revelações é uma obra célebre no Catolicismo por causa da clareza e da profundidade da visão de Deus de Juliana.
     A primeira versão impressa das Revelações se tornou disponível ao público em 1670 e foi editada pelo beneditino Serenus Cressy. O livro não se tornou muito conhecido até o século 20. A edição de Cressy foi reimpresso em 1843, 1864 e novamente em 1902. A versão do livro feita por Grace Warrack, em 1901, introduziu os escritos de Juliana junto à maioria dos leitores do início do século 20.
     Após a publicação da edição de Warrack, o nome de Juliana se espalhou rapidamente e se tornou tema de muitas palestras e escritos. Em 1979, uma edição do livro foi publicada e, como resultado, o livro tornou-se amplamente vendido e discutido, em um momento de espiritualidade renovada. Juliana de Norwich é agora reconhecida como uma das místicas mais importantes da Inglaterra.
     Os beneditinos de Norwich e o Cardeal da Inglaterra, Adam Easton, podem ter sido os diretores espirituais de Juliana de Norwich, e os editores de seu Longo Texto Mostrando o Amor.
     O ditado: "... Tudo estará bem, e todos estarão bem, e todos os tipos de coisas deverão estar bem", que Juliana afirmou ter sido dito a ela por Deus, reflete sua teologia. É uma das linhas mais famosas da escrita teológica católica e é uma das mais famosas frases da literatura de sua época.
     Em suas visões, Juliana viu o sangue fluindo sob a Coroa de Espinhos de Jesus Cristo, viu a Virgem como uma jovem e simples senhora; viu Jesus mostrando a ela uma castanha na palma de sua mão. Ela pensou: “O que será isso?”, e Ele respondeu: “Isto é tudo que é criado. Deus deu forma, Deus deu vida, Deus a mantém assim”.
     Assim ela aprendeu a bondade de Deus “para O qual a nossa mais elevada das preces deve ser dirigida”. “O qual desce para atender as nossas menores necessidades”. E em relação à Cruz, ela viu a misericórdia Divina caindo como uma fina chuva de graças durante a Sua Paixão. Ela viu o Senhor morrendo, os Seus terríveis tormentos, e escreveu: “Assim eu O vi e eu O amava”.
     Na época de sua morte, a Beata tinha uma vastíssima reputação e atraia visitantes de toda a Inglaterra para a sua cela. Embora Juliana não tenha sido formalmente beatificada, é mencionada como Beata por vários autores e na Inglaterra a invocam como Santa.
     A festa da Beata Juliana de Norwich na tradição católica romana é a 13 de maio.

Imagem da Beata na igreja de Sto. André e Sta. Maria, Norwich

2 comentários:

  1. No dia 23 de março de 2016,quarta-feira santa, ela foi lembrada pelo Papa Francisco em sua homilia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Motivo pelo quis me aprofundar, além da Beata Anna Catarina de Emerich.

      Excluir