sexta-feira, 28 de junho de 2013

Beata Salomé de Niederaltaich, Reclusa - 29 de junho

    
     Judite, filha do rei da Inglaterra, decidiu abraçar a fé cristã na prática da solidão e intensos sacrifícios por amor a Nosso Senhor. Tudo teve início quando Salomé, parenta próxima do rei, decidiu oferecer a Deus o seu amor abandonando a corte real. A sua formosura era o reflexo das belas virtudes que lhe adornavam a alma.

     Duas empregadas dedicadas e fiéis notando na senhora mudança muito grande e querendo saber os motivos de seu recolhimento, interpelaram-na. Salomé, com suas santas argumentações, acabou despertando nelas igual desejo de pertencer só a Deus e de se afastarem do mundo. De comum acordo, e sem se despedirem de pessoa alguma, empreenderam uma viagem à Terra Santa, onde, com muita devoção, visitaram os Santos Lugares.
     Salomé, que acompanhava o Divino Esposo no caminho de dor até o Monte Calvário, teve de percorrer ainda outro caminho, ainda mais doloroso para ela. Na viagem de regresso perdeu, pela morte, as fiéis companheiras. Firme, porém, era seu propósito de não voltar mais à corte real da Inglaterra e levar uma vida pobre e desconhecida no estrangeiro.
     Com muitas dificuldades chegou a Regensburg, na Baviera (Alemanha), onde se aborreceu profundamente por causa de alguns galanteios à sua formosura. Humilhando-se diante de Deus, em fervorosas preces pediu que lhe tirasse os atrativos tentadores. Esta oração foi ouvida: acometida de uma enfermidade, em poucos dias perdeu a visão. Além da cegueira, Deus mandou-lhe uma doença que se parecia com a lepra e que a atormentou por algum tempo.
     Hospedada em casa de uma piedosa senhora, lá poderia ter ficado se o desejo insaciável de penitência não lhe tivesse reclamado constantemente uma vida mais retirada.
     O abade de Niederaltaich, tendo notícia da vida santa de Salomé, convidou-a a mudar de residência para perto do convento. Salomé foi ocupar a cela que o mesmo mandara construir para seu uso no coro da igreja conventual.
     O rei da Inglaterra, alarmado com a excessiva demora da parenta, fez repetidas buscas para descobrir seu paradeiro. Judite, sua filha, que tinha enviuvado, foi ao local onde descobriram que Salomé vivia. Grande foi o contentamento de ambas. No mesmo mosteiro a prima também se fez murar no átrio da mesma igreja.
     Salomé faleceu antes de Judite, após ter suportado tremendos sofrimentos físicos. A existência das duas primas é colocada no fim do século XI.
     A Ordem Beneditina festeja a Beata Salomé de Niederaltaich no dia 29 de junho.
 
 
Mosteiro de Niederaltaich numa gravura antiga
 
Abadia Beneditina de Niederaltaich
     O Duque Odilo, da família Agilofinger, da Baviera, fundou sua própria "Eigenkloster", um mosteiro em um braço do Rio Danúbio. Segundo a tradição local, isto ocorreu em 731. A pesquisa moderna contudo data a fundação do mosteiro em 741. São Maurício, o santo padroeiro do mosteiro, indica o contato próximo do Duque Odilo com a Borgonha. Os primeiros monges vieram da famosa Ilha Mosteiro de Reichenau. Eles foram considerados especialistas em preparar terreno pantanoso para o cultivo. Isso foi necessário porque o local, Altaich, nas margens do Danúbio, era ruim para a agricultura.
     Após os Agilofingers terem sido privados de seu poder, Carlos Magno assumiu Niederaltaich como Mosteiro Imperial, em 788. Durante a metade do século IX Altaich atingiu o auge de seu poder.
     Depois de 990, os beneditinos voltaram para Altaich. Foi São Gotardo (Godehard), que dirigiu o Mosteiro de Altaich num novo período de desenvolvimento durante a época do Imperador Henrique II. Os sapatos e a capa de São Gotardo foram conservados na igreja da abadia e são considerados itens muito preciosos.
     A construção da abadia em estilo gótico começou muito cedo. O Abade Hermann, também um famoso historiador, iniciou a construção da nova igreja do Mosteiro em 1260, e cinco de seus sucessores a levaram adiante até 1326. Naquela época era um dos maiores edifícios de toda a região do Danúbio.
     Em 1918, o Mosteiro de Niederaltaich foi reorganizado como um Priorado da Abadia Beneditina de Metten. Foi elevado ao nível de Abadia em 1930. Desde 1932, a igreja da Abadia tem o título honorário de "Basílica Menor" papal.

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Beata Maria Josefina de Jesus Crucificado, Carmelita - 26 de junho

    
     Josefina Catanea nasceu no dia 18 de fevereiro de 1894, em Nápoles, no seio da nobre família dos marqueses Grimaldi. Desde pequena mostrou uma predileção particular pelos pobres e os mais necessitados, destinando-lhes o dinheiro que lhe davam para brinquedos ou merendas, e ajudando a duas velhinhas que viviam sozinhas.

     O exemplo de sua avó e de sua mãe foi a escola onde aprendeu a conhecer Jesus e a se enamorar dEle. Tinha uma devoção particular pela Eucaristia e pela Virgem Maria, o que demonstrava rezando o Rosário.
     Depois de terminados os estudos, em 10 de março de 1918, superando a oposição de sua mãe e de seus familiares, ingressou no Carmelo de Santa Maria, em "Ponti Rossi", lugar assim chamado porque ali se encontravam as ruínas de um aqueduto romano.
     No Carmelo aprendeu a amar a Cristo em meio ao sofrimento, oferecendo-se como vítima pelos sacerdotes. Soube aceitar a vontade de Deus, embora isto significasse grande dor física: se viu afetada por uma forma grave de tuberculose na espinha dorsal, com dores nas vértebras, que a paralisou completamente. Em 26 de junho de 1922 foi curada milagrosamente, de forma instantânea, depois do contato com o braço de São Francisco Xavier, que lhe levaram até sua cela.
     A "monja santa", como a chamava o povo, iniciou um grande apostolado principalmente no locutório do convento, acolhendo a todo tipo de pessoas doentes e necessitadas de ajuda, tanto material como espiritual, às quais proporcionava consolo e conselho para encontrar o amor de Deus. Inclusive realizou milagres.
     Sua abnegação prosseguiu também quando foi acometida de outras enfermidades que a obrigaram a usar cadeiras de rodas, crucificando-se com Jesus pela Igreja e pelas almas.
     Em 1932 a Santa Sé reconheceu a casa de "Ponti Rossi" como convento da ordem segunda das Carmelitas Descalças, e Josefina Catanea recebeu o hábito de Santa Teresa de forma oficial, tomando o nome de Maria Josefina de Jesus Crucificado. Em 6 de agosto desse mesmo ano fez a profissão solene segundo a Regra carmelitana, que já vivia desde 1918.
     Em 1934 o Cardeal Alessio Ascalesi, arcebispo de Nápoles, a nomeou sub-priora; em 1945, vigária; e em 29 de setembro desse ano, no primeiro capítulo geral, foi eleita priora, cargo que desempenhou até sua morte.
     Sua espiritualidade, sua docilidade amorosa, sua humildade e simplicidade, lhe granjearam grande estima durante os anos da 2ª. Guerra Mundial. Rezava sem cessar, alimentando assim sua confiança em Deus, com a qual contagiava a todos os que se dirigiam em peregrinação a "Ponti Rossi" para escutar suas palavras de alento, consolo e estímulo para superar as provas e as dores das tristes situações resultantes da guerra.
     No dia de sua tomada de hábito dissera: "Eu me ofereci a Jesus Crucificado para ser crucificada com Ele", e o Senhor aceitou sua oferta. Compartilhou os sofrimentos de Cristo de forma silenciosa, porém alegre. Suportou durante muitos anos duras provas e perseguições com espírito de abandono à vontade de Deus. Também gozou de carismas místicos extraordinários.
      Por obediência e por conselho de seu diretor espiritual, escreve sua "Autobiografia" (1894-1932) e seu "Diário" (1925-1945), bem como numerosas cartas e exortações para as religiosas.
     A partir de 1943 começou a sofrer várias enfermidades especialmente dolorosas, que incluíram a perda progressiva da visão. Convencida de que essas enfermidades eram vontade de Deus, as acolhia como "um dom magnífico" que a unia cada vez mais a Jesus Crucificado. Com um sorriso nos lábios, ofereceu seu corpo como altar de seu sacrifício pelas almas. Morreu no dia 14 de março de 1948 em sua cidade natal.
     Foi beatificada na Catedral de Nápoles pelo Cardeal Crescenzio Sepe em 1º de junho de 2008. A sua memória litúrgica é celebrada em 26 de junho.
 
Reproduzido de Vatican.va

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Beata Raingarda de Semur, Viúva, religiosa - 24 de junho

    
Nobre dama medieval ingressando em um Mosteiro
     Raingarda de Semur nasceu c. 1075. Era filha de Godofredo III, Senhor de Semur e de Ermengarda de Montagu. Por volta de 1093 desposou Pedro Mauricio de Montboissier. Montboissier é um castelo cujas ruinas se elevam ainda agora na Alvernia, França.
      A maior glória deste matrimônio são os filhos, Raingarda teve oito: o primeiro foi Arcebispo de Lyon; quatro foram abades beneditinos, um dos quais é São Pedro o Venerável, abade de Cluny; um morreu jovem; Hugo teve duas filhas que se juntaram a avó quando esta ingressou no Mosteiro de Marcigny; e Eustáquio, o único a perpetuar o nome da família.
     Raingarda entregou-se completamente nos cuidados de sua numerosa família, conservando no fundo do coração a pena de não se ter desapegado inteiramente do mundo. Com solicitude recebia no castelo os monges que por ali passavam.
     Mauricio de Montboissier era um bom católico, mas não aquiescia aos conselhos da esposa para se retirar em um mosteiro. Finalmente, decidiu-se a fazê-lo, tendo antes feito uma peregrinação à Terra Santa. Entretanto, ao retornar caiu gravemente doente. A esposa cuidou dele com a maior dedicação, preparou-o para a morte e ajudou-o a dispor os seus bens.
     Depois do falecimento do marido, Raingarda era aconselhada pelos amigos a tornar a se casar. Mas, secretamente ela se preparava para entrar no Mosteiro de Marcigny, perto de Paray-le-Monial, por ter clausura estrita. Este mosteiro era uma dependência de Cluny estritamente reservado às mulheres.
     A noite anterior à sua partida, Raingarda passou-a junto ao túmulo do esposo em oração, seguindo depois com numeroso séquito para Marcigny. As pessoas que a acompanhavam não sabiam qual seria o termo da viagem, mas ao verem-no, romperam em soluços e queriam dissuadir Raingarda. Ela então lhes disse: “Depois da tempestade, vem a calmaria; o bom tempo sucede à chuva. E as lágrimas que choram agora serão seguidas de riso e alegria. Voltai portanto ao século, e eu vou ter com Deus”.
     Em seguida, entrou com as monjas na clausura. Com grande alegria ali cortou o cabelo e mudou de vestes. O seu principal empenho foi sujeitar-se a todas as Irmãs com profunda humildade. Logo se tornou muito amada pelas monjas. Segundo nota seu filho, Pedro o Venerável, “ela não viveu assim apenas nos primeiros anos de conversão, como fazem os outros, mas durante todo o resto de sua vida”.
     Esta mãe de oito filhos se sentia feliz nesta vida tão oculta, quando lhe foi dado o cargo de celeireira, a administração do mosteiro ficou toda sobre seus ombros. Ela viu-se absorvida por uma quantidade de questões materiais e com frequência precisava sair. Procurou aprender a cozinhas e satisfazia quanto possível às necessidades e gostos de cada uma das Irmãs: “dava a uma assado, a outra cozido, a uma coisas salgadas, a outra doce”. Ocupava-se das doentes e, como saia do mosteiro, praticava a caridade com os pobres.
     O mais admirável era ver que tantos cuidados não abalavam sua vida espiritual, ela sabia ser ao mesmo tempo Marta e Maria.
     A austeridade da vida e a grande atividade esgotaram Raingarda, que caiu doente e pediu imediatamente a Unção dos Enfermos e o Viático. Três dias depois, vendo que a morte estava chegando, as Irmãs colocaram-na sobre cinzas, conforme ela desejara, e assim faleceu Raingarda no dia 24 de junho de 1135, com pouco mais de 60 anos de idade.
     Embora Raingarda não tenha sido oficialmente beatificada, os mosteiros de Cluny a veneram como Santa.
São Pedro o Venerável, Abade de Cluny, segundo gravura medieval

 
Fonte: Santos de cada dia, Pe. José Leite, S.J., 3ª. Edição, Editorial A.O. – Braga.

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Santa Demétria de Roma, Mártir - 21 de junho

     Santa Demétria, mártir romana, a tradição conta que era filha de São Flaviano (22 de dezembro) e de Santa Dafrosa (4 de janeiro) e irmã de Santa Bibiana (2 de dezembro). Hoje em dia, de toda a família apenas a última é ainda mencionada pelo Martirológio Romano.
     Demétria viveu em Roma no século IV, na época do imperador Juliano o Apóstata, que teria condenado sua família à morte. Na "Passio Sanctae Bibianae", que data do século VII, é dito que o governador Aproniano, depois de ter condenado à morte os cônjuges Flaviano e Dafrosa, podendo então tomar posse de seus bens, tentou forçar a apostasia também de suas duas jovens filhas.
     Demétria morreu trancada na prisão ou, segundo outras fontes, assustada com a visão do Imperador, antes de sofrer o martírio. No entanto, sua irmã Bibiana sofreu cruel martírio. Esta versão do fato serve como uma justificativa para a veneração das santas em duas datas distintas.
     Contudo, se afirma em vários relatórios hagiográficos que o "dies natalis" de Demétria é relatado em dias diferentes, entre eles o de 21 de junho. O corpo de Santa Demétria recebeu sepultamento no túmulo dos pais e da irmã, próximo de sua casa no Esquilino, onde, por ordem do Papa Simplício, foi erguida uma capela e mais tarde a atual basílica.
     As relíquias de São Flaviano tomaram caminho diferente e agora são veneradas na cidade de Montefiascone, Lazio. Os corpos de Dafrosa e das filhas Demétria e Bibiana foram encontrados em 1624 e dois anos mais tarde colocados em três relicários, sendo Papa Urbano VIII.
     Seus santos despojos ainda estão abrigados no sarcófago constantiniano em alabastro oriental, sob o altar-mor da Igreja de Santa Bibiana. Parte das relíquias de Santa Dafrosa está mantida na Patriarcal Basílica de Santa Maria Maior, onde sua festa é comemorada em 4 de janeiro.
     É bom lembrar que essa família santa é apenas um de muitos casos ocorridos em dois mil anos de Cristianismo quando famílias, à imitação da Sagrada Família de Nazaré procuravam se santificar e santificar sua prole.
     Alguns bons exemplos disso são as famílias de Santos Mário e Marta com seus filhos Abaco e Audiface; Gregório e Nonna com os filhos Gregório, Cesário e Gorgonia; Luís Martin e Zélia Guérin com sua filha Teresa do Menino Jesus. Eles podem ser considerados os modelos mais próximos das famílias nas quais os cônjuges fizeram de seu casamento o caminho para merecer a santidade para si e para seus filhos.

terça-feira, 18 de junho de 2013

Santa Isabel de Schönau, Religiosa e mística - 18 de junho

    
     Isabel nasceu, com grande probabilidade, em Bonn, na Renânia, em 1129. Tinha apenas 12 anos quando os pais (dos quais se conhece apenas o nome do pai, Hartwig), a entregaram às monjas da abadia beneditina de Schönau, no Reno, próximo de Sankt Goarshausen, onde ela fez a profissão religiosa em 1147.

     Dez anos mais tarde foi eleita Superiora das monjas, que não tinham abadessa, pois dependiam do abade, que era então Egberto (+ 1184), irmão de Isabel. Este sempre exerceu grande influência sobre Isabel e foi seu conselheiro espiritual e seu primeiro biógrafo. Isabel tinha ainda outro irmão, Rogério, premostratense, que foi preboste em Pòhlde (Saxônia), e um sobrinho, Simão, que também se tornou abade de Schönau.
     Recuperada de uma grave doença em 1152, Isabel começou a ter visões e êxtases, durante os quais falava com Nosso Senhor, Nossa Senhora e com os santos do dia. Às vezes seus êxtases duravam semanas, e aos poucos debilitaram de tal forma o seu físico, que ela faleceu com apenas 35 anos em Schönau no dia 18 de junho de 1164 ou 1165.
     Em 1155, seu irmão Egberto, conhecido pelo seu engajamento contra os cátaros, transcreveu as suas visões em latim. Egbert incitou Isabel a pedir ao Anjo que lhe aparecia algumas explicações sobre certas questões litigiosas. Eis a razão de Isabel ter várias visões que atestam a realidade da transubstanciação, ponto sensível na luta contra os cátaros.
     Entre os livros que escreveu estão Visões (três volumes), Liber viarum Dei e Revelações do martírio de Santa Úrsula e suas companheiras.
     Os três livros das visões tiveram larga difusão durante a Idade Média. O Liber viarum Dei compilado à imitação da Scivias de Santa Hildegarda, se concentra quase inteiramente na necessidade da penitência e de uma reforma moral da Igreja. As visões De resurrectione beatae Mariae Virginis tratam da Assunção de Maria Santíssima, ou seja, a gloriosa trasladação da Mãe de Deus em corpo e alma da terra ao céu. O Liber revelationum de sacro exercitu virginum Coloniensium, escrito entre outubro de 1156 e outubro de 1157, trata em termos legendários de Santa Úrsula e suas companheiras. O primeiro livro é de uma linguagem simples que Isabel pode ter usado, mas os outros empregam uma linguagem mais sofisticada que provavelmente é de Egberto.
     As opiniões divergem quanto às visões e revelações de Isabel. A Igreja nunca se pronunciou a este respeito e nunca mesmo as examinou. A própria Isabel estava convencida do carácter sobrenatural destas, como ela o diz numa carta endereçada a Santa Hildegarda, da qual era muito amiga e que a vinha visitar. Quinze cartas suas autênticas, das quais uma a santa Hildegarda, chegou até aos nossos dias. Ela aí fala dos êxtases com que Deus a agracia.
     As suas obras eram, no seu tempo, mais conhecidas do que as de Santa Hildegarda de Bingen, da qual apenas alguns manuscritos chegaram até nós. Entretanto, numa leitura atenta das obras é possível distinguir nelas a influência do irmão, Egberto.
     As cartas de Isabel de Schönau, de conteúdos variados, são dirigidas a bispos, abades, monjas, escritas de 1154 até o ano de sua morte, nas quais ela usa uma linguagem dura para estigmatizar os vícios da época, linguagem que contrasta com a simplicidade de seu caráter infantil, mostrando-se menos original que sua grande amiga Santa Hildegarda de Bingen, a "profetisa da Alemanha".
     Objeto de veneração particular já em vida e mais ainda depois da morte, em 1584, no tempo de Gregório XIII, o nome de Isabel de Schönau foi inscrito no Martirológio Romano sob a data de 18 de junho «Schonaugiae, in Germania, sanctae Elisabeth virginis, ob monasticae vitae observantiam Celebris» (Comm. Martyr. Rom., p. 244, n. 8). Depois o seu ofício litúrgico foi inscrito na Diocese de Limburgo, que celebra a festa da santa no dia indicado. Das relíquias da santa, profanadas pelos suecos em 1632, foi possível salvar a cabeça, que é venerada atualmente na igreja paroquial de Schönau. Santa Isabel de Schönau é invocada contra as tentações. 
 
 

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Beata Constância de Castro y Osório, Terciária franciscana - 14 de junho

     Constância de Castro y Osorio nasceu em Viveiro (Lugo, Espanha) na nobre família dos Condes de Lemos. Esposou o valoroso capitão Rui Diaz de Andrade, senhor de São Pantaleão das Vinhas (Betanzos), que morreu heroicamente na guerra contra Granada, combatendo pelo Rei São Fernando III, provavelmente entre 1245 e 1250.
     Antes de morrer, Rui enviou a sua esposa uma carta escrita em galego, a maneira de testamento, em que dava a ela e a seu filho Heitor, caso ele morresse em batalha, os seus bens para que ela os administrasse. A carta estava datada de 13 de agosto de 1250.
     Constância permaneceu viúva durante 40 anos; tomou o hábito da Ordem Terceira de São Francisco e se dedicou à oração e à caridade.
     Após uma vida de oração e de exercícios de piedade, faleceu em odor de santidade em data desconhecida. Foi sepultada na Capela da Cruz, no convento de São Francisco de Viveiro, que já existia em 1258. Em 1611, quando seria transladado, seu corpo foi encontrado incorrupto.
     À intercessão da Beata são atribuídos alguns milagres que foram julgados favoravelmente pelos seus examinadores, mandados pelo Bispo de Mondonedo, Pedro Fernandez Zorrilla (1616-18): Wadding possui uma cópia deste relatório.
     Entretanto, o processo de beatificação ficou interrompido. Apesar disto, é conhecida popularmente como “a Beata” e consta de alguns santorais. O Martirológio da Ordem de São Francisco a recorda em 14 de junho, fixando arbitrariamente a data de sua morte em 1286. A Igreja lhe outorga o título de Venerável.
 
Cenas da vida da Beata na cúpula da igreja de Vivieiro, Espanha
 

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Chá da tarde: um costume que ajudou a unir um império

    
     O chá foi introduzido pela primeira vez na Europa pelo jesuíta português Pe. Jasper de Cruz, em 1560, e foi uma princesa portuguesa, Catarina de Bragança, esposa de Carlos II, que o introduziu na Grã-Bretanha. Na verdade, parte de seu dote consistia em um baú de chá da China.

     Uma apreciadora do chá desde a infância, a Rainha Catarina trouxe para a Corte o hábito de beber chá, ajudando a definir uma tendência entre a aristocracia da Inglaterra do século XVII. Da nobreza, o chá se difundiu entre as boas famílias e os níveis mais baixos da sociedade, tornando-se rapidamente uma bebida popular e nacional.
     Foi somente no final dos anos 1830, que a apreciação do chá na Grã-Bretanha atingiu o seu apogeu com a instituição da tradição social que veio a ser conhecida como o "chá da tarde". Este costume social foi fruto da imaginação de uma rica aristocrata inglesa, Lady Ana Maria Stanhope, esposa do 7º Duque de Bedford. Ela divertia seus amigos na Abadia de Woburn, no Salão Azul, e acreditava que o tempo entre o almoço e o jantar era muito longo. Assim, para atenuar as longas horas, ela concebeu a ideia de um chá da tarde e pediu que o chá fosse servido juntamente com um lanche leve de pão, manteiga, bolos, tortas e biscoitos.
     Por volta dos anos 1860, o chá da tarde havia se tornado moda e se generalizado. Era uma combinação elegante entre linho fino e prata de lei. O chá era servido na melhor porcelana da anfitriã e pequenas quantidades de quitutes saborosos eram apresentados em perfeita harmonia em pequenas baixelas.
     Esta crescente popularidade do chá da tarde coincidiu com a idade de ouro do Império Britânico e, portanto, da Inglaterra à Austrália, da Escócia à África do Sul, da Irlanda à Índia, senhoras e senhores paravam suas ocupações para desfrutarem juntos de alguns momentos de lazer refinado e conversa gentil durante o chá da tarde. Este costume social ajudou a unir os mais longínquos rincões do império, de modo que, assim como a pessoa do Rei ou da Rainha servia para unir o império no governo, assim também o chá da tarde os unia na tradição britânica e nas boas maneiras sociais.
     Apesar de não ser religioso em sua natureza, o chá da tarde forjou uma imponderável união metafísica, espiritual. Era um símbolo. Um símbolo elegante e visível da nação britânica.
    
      Admirando este refinado e elegante símbolo e tradição, o Professor Plinio Corrêa de Oliveira se perguntava se Deus havia designado um anjo da guarda só para inspirar, orientar e nutrir esse costume social. "Nesse caso", ele conjeturou, "poderíamos chamá-lo de ‘o anjo do chá das cinco’".

 
 
 
 

terça-feira, 11 de junho de 2013

Beata Florida Cevoli, Abadessa Capuchinha - 12 de junho

    
     Lucrécia Helena Cevoli nasceu em Pisa no dia 11 de novembro de 1685, filha do Conde Curzio e da Condessa Laura da Seta.
     Com 18 anos, na primavera de 1703, Lucrécia decidiu entrar no mosteiro das Clarissas Capuchinhas de Città di Castello. Poucos acreditaram que Lucrécia, habituada a uma vida cômoda, pudesse superar as austeridades de uma vida ditada pela Regra de Santa Clara. Todavia, ela transpôs o portal do mosteiro das capuchinhas de Cittá di Castelo, e não voltaria jamais para trás. No dia 8 de junho de 1703 iniciou o período de noviciado, em 10 de junho de 1705 emitiu a profissão solene dos votos e adotou o nome de Florida.
     O impacto com o mosteiro fora mais duro do que o previsto, as Irmãs pareciam hostis e a Mestre, a futura Santa, Irmã Verônica Giuliani, dava a impressão de não querer recebê-la. Florida conseguiu superar aquele terrível momento, porque sua vocação era autêntica. Soube dar provas de humildade e desejou sinceramente fazer penitência.
     Nos séculos XVII-XVIII as noviças deviam enfrentar uma disciplina duríssima e por qualquer coisa podiam ser mandadas embora; a humildade era uma das virtudes mais inculcadas, e não se hesitava humilhar em publico as noviças. Este rigoroso caminho ascético não era um fim em si mesmo; nas personalidades mais puras tinha o efeito de fogo purificador, e queimando as escórias levava as almas a subir na oração.
     Uma sede de contemplação, nunca extinta, dominou a vida inteira de Irmã Florida, que se tornava fervorosa sustentadora do mais rigoroso ideal franciscano. E, contudo, não seria ela marcada pela grandeza de contemplação, porque era mulher dotada de pulso, hábil e capaz no governo. Uma das testemunhas dizia que “Irmã Verônica era ótima para rezar, Irmã Florida tinha mais espírito e mais coragem”.
     As Irmãs logo perceberam sua personalidade e lhe confiaram, ainda que jovem, o encargo de supervisora da disciplina da comunidade. Isso lhe deu a possibilidade de empreender mudanças: o mosteiro não estava bem de acordo com o espírito rigoroso de Santa Clara, e uma interpretação branda da regra facilitava muitas acomodações.
     Em 1716, quando Verônica Giuliani foi eleita abadessa, Florida, que no momento completava 31 anos, lhe foi dada como vigária. E enquanto a abadessa se dedicava mais ao campo espiritual, voltada às alturas vertiginosas da mais alta contemplação, a vigária fazia acontecer, de acordo com a madre, a vida doméstica, encarregando-se das tarefas concretas, enfrentando as pequenas e grandes dificuldades da vida, cuidando com grande atenção das relações humanas.
     Santa Verônica Giuliani permaneceu como abadessa ao longo de onze anos consecutivos, isto é, até sua morte, ocorrida em 1727. Sucedeu-a no cargo a Irmã Florida, que guiou o mosteiro até 1736, continuando o trabalho iniciado. Sem solavancos violentos, empreendeu com mão segura, forte e suave, uma progressiva mudança na vida comunitária. Não lhe faltaram contrariedades, mas soube superá-las para realizar os seus projetos.
     Despertava encanto nas religiosas a coragem e a naturalidade com que a abadessa, crescida em ambiente aristocrático e que com frequência recebia visita de nobres senhoras, executava os serviços mais humildes da casa.
     Após nove anos de abadessa, foi-lhe confiado o encargo de mestra das noviças, depois, voltou a ser abadessa, vigária, alternando-se em tais encargos até o dia de sua morte. De seu sábio governo viveu o mosteiro.
     Não lhe faltaram também os sofrimentos físicos ao longo de vinte anos, mas ela vivia na calma sem que as demais se dessem conta.
     Irmã Florida favoreceu a introdução da causa de beatificação de Verônica, e foi ela que decidiu, em 1753, erguer um novo mosteiro na casa dos Giuliani, em Mercatello.
     Em algumas das suas cartas relativas à construção do Mosteiro em Mercatello, em 1754, vemo-la dando ordens práticas sobre o aproveitamento do prédio antigo. Ao pároco escrevia, em fevereiro de 1755, reclamando de ter lhe pedido dados concretos de um certo trabalho: “já passou o Advento há dois meses e passou o carnaval, e ainda não tenho sequer uma linha do senhor capelão. Mas que é isto? Estão vivos ou estão mortos?”
     Por ocasião de sua morte, após trinta e sete dias de febre forte, no dia 12 de junho de 1767, ao se examinar o cadáver verificaram-se alguns sinais prodigiosos em seu peito testados por um médico presente.
     A causa de sua beatificação foi iniciada em 1838, e em 1910 suas virtudes heroicas foram aprovadas. Foi beatificada em 16 de maio de 1993 pelo papa João Paulo II. 
Etimologia: Florida = do latim Flóridus: florido(a), florescente.
 

sábado, 8 de junho de 2013

Beata Diana d'Andaló, Virgem Dominicana - 9 de junho

    
     Diana de Andaló (abreviação do nome do nobre pai: Andrea Lovello), é uma das mais características e simpáticas figuras das origens da Ordem Dominicana. Ajudou na fundação do convento de Bolonha.
     Quando São Domingos procurou um campo mais amplo para as atividades de sua Ordem na Itália, elegeu de maneira muito especial a região da Bolonha, porque previa que sua famosa Universidade haveria de prover-lhe as pessoas que necessitava recrutar.
     Diana, a filha única da família d’Andaló, uma piedosa jovem que desde a chegada dos Pregadores havia escutado seus sermões com profunda emoção, apoiou o Beato Reginaldo de Orleans, um dos padres pregadores mandados por São Domingos a Bolonha, na compra da localidade de Vigne, ao lado da igreja de São Nicolau, a futura igreja de São Domingos. Este ato ocorreu em 14 de março de 1219.
     Em agosto do mesmo ano o Santo Fundador foi a Bolonha, e o próprio São Domingos recebeu em particular, quase em segredo, os votos de Diana para conservar sua virgindade, junto com um compromisso de ingressar na vida religiosa tão logo quanto fosse possível.
     Durante algum tempo Diana continuou vivendo em sua casa, porém às escondidas de seus pais se levantava antes do alvorecer para rezar suas devoções e praticar suas penitências. Diana pensava então que não teria maiores dificuldades para convencer sua família a fundar um convento de monjas dominicanas no qual ela pudesse ingressar. Mas, quando abordou o assunto com seu pai, este se negou terminantemente a considerar aquela fundação e muito menos autorizar sua filha a ser religiosa.
     Diana decidiu fazer justiça por si mesma. Com o pretexto de visitar suas amigas, foi ao Mosteiro das Cônegas de Ronzano, se entrevistou com a superiora das agostinianas e tanto pediu e discutiu, que acabou por convencê-la a que lhe impusesse o véu. Assim que seus familiares tomaram conhecimento do que havia acontecido, foram a Ronzano decididos a tirá-la do convento a força, se fosse necessário, e por certo o fizeram, pois na disputa quebraram uma costela da desafortunada Diana, e a tiraram do convento arrastada.
     De volta a casa, trancaram-na a chave, mas nada disto fez a valente jovem desistir. São Domingos a consolou com cartas, hoje perdidas. Quando viu restabelecida dos golpes recebidos, escapou e voltou a Ronzano. Desde então seus familiares não voltaram a tentar dissuadi-la, pelo contrário, todos acabaram por atender aos desejos da jovem.
     O Beato Jordão da Saxônia ganhou a confiança do Senhor d'Andaló e de seus filhos de uma forma tão completa, que entre todos fundaram um pequeno convento para as monjas dominicanas.
     Em 1222, ali se instalou Diana com outras quatro companheiras. Como nenhuma delas tinha experiência na vida religiosa, foram chamadas quatro monjas do convento de São Sisto de Roma para que as instruíssem. Duas destas monjas, Cecília e Amada, ficaram desde então intimamente ligadas a Diana. As duas foram sepultadas no túmulo de Diana, e as três foram beatificadas ao mesmo tempo em 1891.
     De Amada nada se sabe e embora seu culto tenha sido autorizado para a Ordem dos Pregadores, não está inscrita no Martirológio Romano. Mas Cecília, que era da nobre família dos Cesarini e em todos os sentidos uma mulher notável, é mencionada nele.
     Quando Cecília era uma jovem de 17 anos e se encontrava no convento de Trastevere, antes de se trasladar para São Sisto, se distinguiu por ter sido das primeiras religiosas a responder aos esforços de São Domingos para reformar as Ordens e foi ela quem convenceu a abadessa e as outras irmãs para que se submetessem à Regra do Santo. Como foi Cecília a primeira mulher que recebeu o hábito das dominicanas, era a indicada para governar o pequeno convento de Santa Inês, em Bolonha, durante seus primeiros tempos de existência.
     Diana foi mais tarde eleita superiora. Era uma verdadeira mãe para as monjas.
     O Beato Jordão sentia um afeto especial por aquela pequena comunidade que ele mesmo havia fundado e além de suas frequentes visitas, manteve sempre uma ativa correspondência com Diana. Com frequência dizia em suas cartas que os rápidos progressos da Ordem podiam se atribuir às orações das monjas de Santa Inês. Mas, por outro lado, constantemente lhes recomendava que não pusessem a prova suas forças com penitências exageradas.
     A Beata Diana faleceu no dia 10 de junho de 1236, quando tinha apenas trinta e seis anos. Cecília a sobreviveu por muito tempo: morreu em 4 de agosto de 1290, e era já anciã quando ditou a uma secretária suas recordações de São Domingos. Nesse escrito aparece uma descrição muito gráfica do santo fundador.
     Diana foi sepultada na igreja de Santa Inês, mas, 17 anos mais tarde os seus restos foram transladados junto com o convento, que se instalou na cidade. Cecília e Amada vieram depois a partilhar com ela a sepultura. O convento foi suprimido em 1793, mas um relicário, na igreja dos Pregadores, conserva ainda os restos das beatas.
     Há uma biografia em latim da Beata Diana, encontrada no volume de H. M. Cormier, La b. Diane d'Ándalo (1892). As cartas do Beato Jordão foram reeditadas em 1925, por B. Altaner, en Die Briefe Jordans von Sachsen. A. Butler indica a data da morte de Diana como 9 de janeiro, mas a inscrição no Martirológio e a consulta em outros santorais fazem pensar que essa data não pode ser considerada correta, mas sim a data 10 de junho.
 
Fontes: «Vidas de los santos de A. Butler», Herbert Thurston, SI; www.santiebeati.it
 
Etimologia: Diana = celeste, luminosa, divina, do sanscrito

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Beata Maria Teresa Soubiran La Louvière, Fundadora - 7 de junho

    
     A família Soubiran pertencia à antiga nobreza. Suas origens datam pelo menos do século XIII, e entre seus antecessores indiretos se contam São Luís de França, São Eleazar de Sabran e sua esposa a Beata Delfina, Santa Roselina de Villeneuve, Santa Isabel da Hungria e boa parte das famílias reais da Europa.

     No século XIX, o chefe da família Soubiran era José de Soubiran La Louvière, que vivia em Castelnaudary (em occitano, Castèlnòu d'Arri) perto de Carcassone, sul da França. José se casou com Noemi de Gélis de l´Isle d´Albi.
     Sofia Teresa Agostinha Maria, segunda filha deste matrimônio, nasceu em 16 de maio de 1834 em Castelnaudary. Criada numa família profundamente católica, dirigida por seu tio, o Cônego Luis de Soubiran, Sofia logo se sentiu chamada à vida religiosa.
     Aos 20 anos, ela fez uma tentativa de vida religiosa numa comunidade católica em Gand, na Bélgica, mas esta experiência durou somente um ano; ela voltou à França, onde queria implantar essa comunidade.
     Ela se sentia inclinada à austeridade e à vida reclusa do Carmelo. Entretanto, após um período de vacilações e tendo solicitado conselhos, decidiu finalmente atender aos desejos de seu tio. Assim, se trasladou para Gand para estudar o gênero de vida das "beguinas" e, ao retornar, foi nomeada superiora da comunidade de Castelnaudary, que seu tio inaugurara. Estes acontecimentos se passaram entre 1854 e 1855.
     Nos anos seguintes, a nova fundação prosperou, mas de uma forma bastante diferente a dos "beguinatos" belgas, pois Sofia e suas companheiras renunciaram às suas propriedades, estabeleceram um orfanato e praticaram, por regra, a adoração noturna ao Santíssimo Sacramento. Apesar dos progressos, aquela foi uma época muito difícil para a comunidade e sua superiora, e a casa em que moravam recebeu o nome de "o convento do sofrimento".
     Em 1863, Madre Maria Teresa, como ela passou a ser chamada, fez os Exercícios de Santo Inácio sob a direção do famoso jesuíta Pe. Pablo Ginhac. Deus lhe manifestou então claramente que ela devia levar adiante seu propósito de fundar uma congregação tal como tinha planejado.
     O "beguinato" não se dissolveu; simplesmente, em setembro de 1864, Madre Maria Teresa e algumas Irmãs se mudaram para o convento da Rue des Buchers, em Toulouse, que ia ser a residência da nova congregação. Madre Maria Teresa consagrou então a nova comunidade a Maria, de quem todas as Irmãs adotariam o nome a partir daquele momento. A Sociedade de Maria Auxiliadora havia nascido. As Irmãs adotaram a espiritualidade inaciana, encontrando Deus tanto na oração quanto na ação apostólica.
     A partir do ano seguinte, os escritos da Beata nos permitem seguir de perto sua evolução interior até sua morte, ocorrida um quarto de século mais tarde.
     A Casa-Mãe de Toulouse logo deu origem a outras casas que se espalharam por toda a França, chegando até mesmo à Inglaterra após a guerra de 1870.
     Para melhor se colocar nas mãos de Deus, “para ser apenas um pano de fundo para Ele”, Madre Maria Teresa renunciou a todos os seus bens pessoais através de um voto radical de pobreza: Deus lhe deu uma tarefa a cumprir, e ela contava somente com Ele para realizá-la. “Aquele que coloca sua confiança em Deus é fortalecido com a mesma força de Deus”.
     As novas religiosas se dedicavam ao cuidado dos órfãos e à instrução das crianças pobres, e inauguraram em Toulouse a primeira casa de hospedagem para jovens trabalhadoras, a qual se deu o nome de Maison de famille, porque era um verdadeiro lar para as jovens que não o tinham, ou que viviam longe do seu. As Auxiliadoras praticavam diariamente a adoração noturna.
     A Madre redigiu as Constituições de sua congregação inspirada nas da Companhia de Jesus. O Pe. Ginhac, que tomou parte muito ativa na nova fundação, se encarregou de revisá-las. Em 15 de outubro de 1867, o Bispo de Toulouse, Florian-Jules-Félix Desprez, aprovou as Irmãs de Maria Auxiliadoras e a Santa Sé publicou, em 19 de dezembro de 1868, um breve laudatório.
     Em 1869, foram inaugurados os conventos de Amiens e de Lyon. Durante a guerra franco-prussiana, as religiosas dos três conventos se refugiaram primeiro em Southwark e depois em Brompton, onde os padres oratorianos as ajudaram muito. Mais tarde estabeleceram uma "casa de família" em Kenington, que foi a primeira fundação inglesa das Auxiliadoras.
     Em 1868, ingressou na congregação uma noviça que três anos depois foi eleita, por voto quase unânime do capítulo, conselheira e assistente da Madre Geral. Tratava-se da Madre Maria Francisca, uma mulher muito hábil e inteligente, cinco anos mais velha que Madre Maria Teresa. Infelizmente, durante muito tempo a Beata não se deu conta de que esta era "dominadora, instável e ambiciosa".
     Em princípios de 1874, Madre Maria Francisca declarou que a situação econômica da congregação era desesperadora (atualmente se sabe que era um julgamento exagerado) e inicialmente declarou ser sua a culpa, mas depois passou a atacar Madre Maria Teresa. Em pouco tempo o rumor de que a má situação das coisas era causada pela fundadora correu por todos os conventos da congregação.
     Madre Maria Teresa lembrou-se então que pouco tempo antes Nosso Senhor lhe havia aparecido e lhe dizia: “Tua missão terminará dentro de pouco tempo, não haverá lugar para ti na tua congregação. Porém, meu poder e minha bondade estarão contigo”. Após consultar o Pe. Ginhac, este a aconselhou a renunciar. Sua conselheira foi nomeada superiora geral.
     A nova superiora não permitiu que a fundadora residisse em nenhum dos conventos da congregação. Não faltaram medidas desagradáveis tomadas por Madre Maria Francisca para evitar que a Beata reconquistasse sua antiga influência e autoridade, e culminou na expulsão da fundadora. Em fins de 1874, Madre Maria Teresa voltou a ser simplesmente Sofia de Soubiran La Louvière.
     Em 20 de setembro de 1874, Maria Teresa de Soubiran foi acolhida no mosteiro de Nossa Senhora da Caridade, em Paris. Admitida inicialmente como pensionista, em 20 de abril do ano seguinte ela tomou o hábito e recebeu um novo nome: Irmã Maria do Sagrado Coração. Ela foi admitida definitivamente em 29 de junho de 1877.
     Com muita humildade, fidelidade e amor, ela se adaptou a todos os usos e costumes de sua nova família religiosa, onde por 15 anos viveu sempre mais confiante no amor de Deus que a despojou de tudo e que se tornou sua força, sua alegria, sua oração, sua plenitude.
     Oito anos depois, a irmã da fundadora, Madre Maria Xavier, também foi despedida da congregação, porque sua presença recordava a Fundadora. Ela também ingressou no convento de Nossa Senhora da Caridade de Paris, e informou a irmã sobre o triste estado da congregação.
     A Beata Maria Teresa passou na enfermaria os últimos sete meses de sua vida. Morreu no dia 7 de junho de 1889, murmurando estas palavras: "Vem, Senhor Jesus". Tentou fazer o sinal da cruz, mas não chegou a completá-lo. Foi sepultada no cemitério de Montparnase, na cripta do convento de Nossa Senhora da Caridade. Atualmente, suas relíquias se encontram na Casa-Mãe das Auxiliadoras em Paris.
     Em fevereiro de 1890, Madre Maria Francisca demitiu-se deixando subitamente a congregação. Madre Maria Isabel de Luppé é eleita Superiora Geral. Fiel companheira de Madre Maria Teresa de Soubiran, ela havia guardado bem vivo o seu espírito; a nova superiora reabilitou a memória da Fundadora junto às Irmãs.
     O Instituto tomou o nome de Sociedade de Maria Auxiliadora e suas Constituições foram aprovadas definitivamente pela Santa Sé em 6 de janeiro de 1924. Em 31 de dezembro de 2005 o Instituto contava 204 religiosas em 28 casas.
     Madre Maria Teresa de Soubiran La Louvière foi beatificada por Pio XII em 20 de outubro de 1946.