segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Santa Joana de Valois, Rainha e Fundadora - 4 de fevereiro


Fundadora da Ordem das Anunciadas
 
     Joana de Valois nasceu no dia 23 de abril de 1464 no Castelo Plessis-les-Tours; era filha de Luís XI, rei da França e da rainha Carlota de Saboia, irmã do Beato Amadeu IX. Luís, que ansiosamente esperava pelo nascimento do herdeiro do trono, não disfarçou o seu desapontamento quando ela nasceu, ainda mais quando soube que a criança era coxa.
     Por uma ordem despótica do rei a menina foi afastada da mãe: com 5 anos foi entregue aos cuidados do Barão François de Linières e sua esposa Anne de Culan que, no Castelo de Linières, dispensaram à princesinha uma cuidadosa educação. O casal não tinha filhos e se dedicou a ensinar a ela leitura e poesia, escrita e aritmética, desenho e pintura, bordado e tapeçaria, bem como os fatos históricos de seus ancestrais. Muito católicos, eles deram a ela uma sólida fé. Muito cedo Joana se voltou para Deus e para a Virgem Maria. Os mistérios da Anunciação e da Encarnação eram seu prazer.
     Tendo chegado à idade de 12 anos, Luís XI contratou o casamento de Joana com seu primo, Duque de Orleans, de 14 anos, que não fazia segredo da profunda antipatia que tinha por sua noiva. O casamento foi celebrado em 8 de setembro de 1476 no Castelo de Montrichard, na presença do Bispo de Orleans.
     Em pouco tempo Joana se convenceu da impossibilidade de convivência com um marido dissoluto e perverso. Com maior dedicação entregou-se aos exercícios de piedade e às obras de caridade, tudo em completa conformidade com a santa vontade de Deus.
     Tendo um dia notícia da grave enfermidade do seu esposo, pressurosa correu para junto dele em Bourges, oferecendo-lhe sua assistência de solícita enfermeira. Porém, recebeu apenas ingratidão, insultos e declarações injuriosas, suportando-as e dando provas de paciência heroica e humildade.
     Em 1483 o rei Luís XI faleceu, sucedendo-o seu filho Carlos VIII. Anos depois o Duque de Orleans sucedeu-o no trono como Luís XII. O marido de Joana repudiou-a então e fez anular canonicamente o seu casamento com ela para se unir à filha do Duque de Bretanha. Joana suportou isto também com serenidade cristã. O matrimônio de Joana com o rei foi declarado nulo pelo Papa Alexandre VI.
     Em 26 de dezembro de 1498 foi feita Duquesa de Berry, recebendo a província para governar. Indo viver em Bourges, a capital do ducado, Joana administrou-o com sabedoria e se devotou ao bem estar dos súditos. Pondo-se a serviço do povo, irrestritamente trabalhou para sua própria santificação sob a direção de São Francisco de Paula. Durante a peste eclodida de 1499 - 1500 ela demonstrou quão grande era sua caridade.
     Joana era devotíssima de Nossa Senhora e foi uma das primeiras figuras entre as veneradoras do puríssimo Coração de Maria, cujo imenso amor ao gênero humano lhe foi revelado em uma celestial visão.
     Livre de outras obrigações, Joana sentiu ressurgir a ideia que concebia desde a infância de fundar uma Congregação dedicada às virtudes da SS. Virgem. Pôs mãos à obra e já em maio de 1500, onze noviças, primícias da Anunciada, eram visitadas pela duquesa que a elas se associava nas devoções.
     No dia de Pentecostes de 1504 as primeiras monjas pronunciaram votos dando início à Ordem das Monjas da Bem-Aventurada Virgem Maria, ditas da Anunciada, cuja Regra teve a aprovação dos Papas Alexandre VI e Leão X. A fundadora construiu um convento para a Ordem.
     Joana fez a profissão a titulo privado em 26 de maio de 1504, mas permanece no mundo, fiel ao seu soberano. Em 3 de dezembro de 1503, Luís XII havia aprovado a fundação da “sua caríssima e amadíssima sobrinha Joana de França, Duquesa de Berry”, tomando o convento sob sua “proteção e salvaguarda especial”.
     Era intensão da fundadora de confiar a sua obra aos Frades Menores da Observância: no dia 21 de novembro de 1504 as religiosas entram na clausura.
     Joana rezava incessantemente pelo marido, e deixou como orientação à Ordem rezar pela alma dele, pela de seu irmão e pela de seu pai.
     Em 22 de janeiro de 1505, atacada de um grave mal-estar, Joana mandou fechar a porta de comunicação de sua cela com o convento; no dia 2 de fevereiro não conseguia se comunicar e depois de uma existência cheia de sacrifícios, provações e sofrimentos, mas não menos de uma vida dedicada à oração, Joana faleceu em 4 de fevereiro de 1505, na idade de 41 anos. Pessoas próximas a ela afirmaram terem visto a cabeça da falecida rodeada de uma luz misteriosa.
     O povo venerava Joana como santa. Milagres se sucederam após sua morte, e em 1514 o papa Leão X permitiu às Anunciadas honrarem-na por um ofício especial.
     Nas perseguições religiosas no século XVI seu túmulo foi  profanado. Fanáticos queimaram o corpo da Santa e atiraram as cinzas ao ar.
     A Congregação das Anunciadas se espalhou: antes da Revolução Francesa as Anunciadas contavam com 45 casas pela França, Bélgica e Inglaterra. Destas casas permanecem ainda hoje os mosteiros de Thiais e de Villeneuve-sur-Lot.
     A causa de Joana de Valois foi introduzida por Urbano VIII em 3 de maio de 1632; ela foi beatificada por Bento XIV em 18 de junho de 1742; em 28 de maio de 1950, Dia de Pentecostes, por ocasião do Ano Santo, o Papa Pio XII elevou-a às honras dos altares, canonizando-a. Sua festa é celebrada em 4 de fevereiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário