terça-feira, 27 de novembro de 2012

Santa Fausta Romana, Mãe de família - 28 de novembro

ver nota
     Na Passio de Santa Anastásia se lê uma carta dirigida a um certo Crisogono, na qual está escrito: "Se bem que meu pai fosse um idólatra, minha mãe Fausta viveu sempre fiel e casta. Ela me fez cristã desde o berço”.
     Este é o único texto existente que menciona a Santa recordada deste dia. Nada mais resta para recordar-nos de Santa Fausta, a não ser este breve testemunho de reconhecimento filial.
     Façamos uma tentativa de retratá-la. É uma mãe que instrui a própria filha no Cristianismo “desde o berço”. Ela era esposa de um idólatra, mas adorava o Deus verdadeiro. Uma esposa fiel, uma mulher casta, segundo diz sua filha. Parece muito pouco para aqueles que esperam da santidade manifestações espetaculares e fatos inusitados.
     Mas, nos primeiros tempos do Cristianismo era um fato inusitado encontrar almas dispostas ao sacrifício e à perseguição por amor daquele Deus desprezado pelos pagãos, difamado como um vulgar malfeitor que morreu numa cruz.
     Para os apologistas, a primeira difusão do Cristianismo já foi um milagre. Bastaria este milagre para demonstrar a divindade de Cristo. Pela mesma razão, bastava a conversão para demonstrar a santidade dos primeiros cristãos. Era preciso muita coragem e amor de Deus para declarar-se cristão, enfrentando as perseguições, a prisão, a condenação, o suplício e o martírio.
     As várias Passio procuravam tornar mais evidentes e mais exemplares estes sacrifícios por vezes obscuros, estes heroísmos escondidos. Entre estes, na complexa Passio de Santa Anastásia, encontramos uma referência, um indício que fala de sua mãe Fausta, que educara a filha no Cristianismo desde o berço.
     Certamente Fausta sabia bem o que isto significava. Desejava preparar a própria filha para um futuro de sacrifícios, quem sabe para a morte prematura. O amor materno teve que ser superado pela fé, e a esperança humana deveria ser substituída pela caridade divina.
     Eis a razão por que as poucas palavras dedicadas à Santa Fausta revelam um panorama histórico e religioso profundo e adquiriram um grande valor apologético na perspectiva dos primeiros séculos.
     Mas, estas mães corajosas que nos lares ainda pagãos introduziam os princípios do Cristianismo, educando seus filhos nele, iluminando os berços de suas crianças com a chama de sua fé, alimentando em seus corações a fortaleza e o amor ao sacrifício, são também hoje um exemplo para as mulheres verdadeiramente católicas, que não pactuam com os erros do mundo moderno, nem dobram os joelhos diante das modas e não cedem às pressões para se adaptarem aos costumes neo-pagãos.
     Que Santa Fausta acenda nos corações maternos a fé e a fortaleza nos dias em que vivemos!
 
Etimologia: Fausta = propícia, favorável, do latim 
 
Nota: A figura que acima é uma pintura do primeiro século encontrada numa parede na Vila dos Mistérios, Pompeia, Itália. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário